segunda-feira

"Disobedience, in the eyes of any one who has read history, is man's original virtue. It is through disobedience that progress has been made, through disobedience and through rebellion."

- "The Soul of Man Under Socialism" (1895)

Os abutres também lutam

Antes de Vivermos, a Vida é Coisa Nenhuma

O homem começa por existir, isto é, o homem é de início o que se lança para um futuro e o que é consciente de se projectar no futuro.

O homem é primeiro um projecto que se vive subjectivamente, em vez de ser musgo, podridão ou couve-flor; nada existe previamente a esse projecto; nada existe no céu ininteligível, e o homem será em primeiro lugar o que tiver projectado ser. 

Não o que tiver querido ser.

Porque o que nós entendemos ordinariamente por querer é uma decisão consciente, e para a generalidade das pessoas posterior ao que se elaborou nelas.

Posso querer aderir a um partido, escrever um livro, casar-me: tudo isto é manifestação de uma escolha mais original mais espontânea do que se denomina por vontade.

Acontece que o lançamento e projecção no futuro de alguns homens nos trazem de volta ao passado . . . acontece que os abutres também morrem.


Texto da autoria do Zé Povinho.

sexta-feira

A fuga das batatas - Parte 1

- OK Batatas. A situação é a seguinte. Estou farto de vos ver meus irmãos a serem fritos naquele óleo nauseabundo. NÓS MERECEMOS MAIS! CHEGOU A NOSSA HORA!
- Epá ó chefe..
- NÃO É CHEFE BATATA, É GENERAL BATATA!
- SIM SENHOR GENERAL BATATA SENHOR!
- SÓ GENERAL BATATA!
- GENERAL BATATA!
- FALE BATATA!
- Como é que é suposto fugirmos.. ?
- Pois..
- Pois o quê?
- Estou a pensar..
- A pensar em quê?
- EM FUGIR BATATA!
- NÃO GRITES COMIGO!
- A TUA MÃE FOI FRITA EM ÓLEO A 20 GRAUS!
- ULTRAJE!
- O TEU PAI GOSTA DE BATATA DOCE!

É estranho mas, apesar de estarem dentro de um saco, dentro de uma arca frigorífico, o ambiente estava a aquecer e foi mesmo isso que permitiu que o saco de plástico se rompesse e as batatas conseguissem fugir.

- ZOMFGG!
- Q'SSA MERDA?
- QÊ?
- O ZOMFG!
- Sei lá batata.
- É GENERAL BATATA!
- SIM GENERAL BATATA!
- Estamos no chão, conseguimos escapar do saco, boa boa boaaaaaaaaaaa.
- E agora General?
- REÚNE AS TROPAS!
- Perdeu-se muita batata com a queda general, a coisa está feia.
- Agarra nos que puderem andar, todos sentirem que têm forças para continuar que se unam numa só força e juntos vamos conseguir escapar deste inferno frio.
- Que engraçado..
- O QUE É NESTA SITUAÇÃO, BATATA, TE FEZ RIR BATATA?
- VOCÊ BATATA!
- EUUUUUUU?? ULTRAJE!! GENERAL BATATA!
- VOCÊ GENERAL BATATA, TEM CARA DE BATATA E PORTANTO FAZ-ME RIR!
- CARA DE BATATA, BATATA!!
- SIM GENERAL BATATA, O SENHOR TEM CARA DE BATATA!
- COMO OUSAS OFENDER UM SUPERIOR DE TAL MANEIRA??????? EU FAÇO-TE EM PURÉ!

Um dos soldados, farto de tamanha confusão ganhou tomates (apesar de ser uma batata) e disse assertivamente:

- Batatas, estão longe de ser um exemplo. Perdemos muitos amigos nesta queda, quase um quinto de um hectar. Conseguimos evitar chorar a morte de muitos para enfrentarmos juntos os desafios que se avizinham. Calem-se batatas e guiem-nos à glória.

O general batata, comovido com a postura do soldado batata disse com uma lágrima no canto do olho: Batata, fizeste-me lembrar a mim quando era mais novo e consegui que perdi muito do que fui. Honestamente não sinto que possa continuar a exercer a posição que ocupo neste momento. Soldado batata, aceita o meu brasão e assume o comando. É UMA ORDEM GENERAL!

- SIM SENHOR!
- NÃO É SENHOR É GENERAL!
- Era senhor.

(Continua..................)

segunda-feira

Colher de pau


Escrevo finalmente naquela revolta parva e insipida de não saber o que dizer. Oh foda-se, é o ar que me sufoca e pouco me importa se é só ela que me suporta. Eu fui vivendo numa espécie de sonho, daqueles mesmo bons que se me perguntares como foi eu respondo-te que não faço ideia, mas consigo-te garantir que foi um dos melhores sonhos que tive. Tive demasiados sonhos nunca iguais, felizmente para mim, mas o que é certo é que nunca tive coragem de seguir nenhum. Sou um sortudo neste aspeto, porque a preguiça que eu acusava e que fazia com que resistisse a perseguir fosse que sonho fosse, trouxe-me até ti meu Amor. Se eu hoje pudesse fazer algo diferente, faria tudo. Em vez de um, dava-te dois beijos. Em vez de três AMO-TE! aos berros levavas com quatro AMO-TE! aos berros. Soubesse eu escrever, diria algo como: "Festejo assim: numa interpretação de festim; e dou-lhe os acordes da novidade. Bordo o amor em palavras não dita, e cada passo é um caminho que faço para mim." Não é meu, mas é bonito. Sinceramente não sou de muitos festejos, e tão pouco sou dado a festins. Acordes também não é comigo e bordar sinceramente está quieto. O que me fascinou foram as últimas palavras: "E cada passo é um caminho que faço para mim." Vou mudar de assunto bruscamente porque estou cansado de escrever. Farto-me depressa de ver as letras a surgir mas a verdade é que quando penso em parar surge-me mais alguma coisa para dizer. Mas o quê? O que dizer? Já não foi tudo dito? Serão precisas mais palavras? Se o que era mais bonito agora era que reinasse o silêncio. Mas não, o silêncio não convém. Existem demasiados políticos para enxovalhar, demasiados regras para infringir, demasiadas exigências para fazer. Talvez o silêncio tenha durado tempo de mais. Eu sinceramente estou farto de parágrafos. São desnecessários à existência das virgulas não são? Eu sei lá. Se não é a música que me traz aqui sinceramente não sei o que é porque na verdade não sei como cá cheguei. Vamos a caminho, seguimos pela mesma estrada, passamos pelas mesmas encruzilhadas e quando chegamos ao destino acabamos por dizer: Foda-se não era para aqui. E depois culpam-se as estradas, mas nós é que íamos a guiar. Pu ruruuuuuuu. E o que dizes dizes tu, e o que sabes dizes tu, e o que fazes dizes tu. Oh, sou presunçoso. Oh, sou preguiçoso. Oh, sou eu assim nada mais do que um rebento, alguém que procura crescer. Não só como pessoa mas como homem, tem sido dificil mas a cada dia que passa procuro tornar-me melhor, saber mais, para mais tarde puder ensinar e daqui a uns anos quando estiver na cova o meu filho possa dizer "Tive nele um pai e um amigo". Não é o que todos nós procuramos? Não. Há quem só queira uma super-bock. O que não deixa de ser válido. É válido. Muito válido. É o que somos. Pessoas diferentes à procura de coisas diferentes. Eu sei, it doesn't take a genius to get there, já eu percebi que é assim e já tu percebeste que assim é, e depois? Não posso dizer o que me bem apetece no meu CANTINHO NA INTERNET? É QUE ESTA MERDA É MINHA E QUEM É QUE TE CONVIDOU? Ah, fosse eu uma espécie de count duckula e já estava a entrar-te pela janela do quarto a voar fodia-te as persianas todas e as janelas e o caralho e tu havias de apanhar uma puta de um susto só com o barulho que dava-te um ataque cardíaco fulminante ao mesmo tempo que te dava uma embolia cerebral antes de eu te matar, mas repara meu animal, é que eu para além de um conde era um filho da puta de um vampiro milenar e eu ressuscitava-te meu grandessíssimo alarvo analfabruto só para ter o prazer de te matar com uma colher de pau com restos de arroz doce que a tua mãe tinha na cozinha.

sábado

"Lets bounce!"


"Bounce!?.... So we are bouncing now."

domingo

Olá.

O meu nome é Carlos.

E eu, sinceramente, não percebo nada disto.

Adeus.
será que faz sentido publicar isto imediatamente a seguir?

é que esta nada tem a ver com a anterior. 

JURO!

não, não juro nada. quem mais jura mais mente.

you're crazy.

you. are. crazy.

you, are crazy.

YOU WISH!

- I'm just plain stupid.
olá.

isto não é sobre a selva nem sobre o facto de não conseguires ficar sóbrio. és um animal, ponto final. já nem te dás ao trabalho de escrever como deve de ser. deves achar que és muito à frente.

e de repente, ela vira-me as costas e vai-se embora. mas antes, como não podia deixar de ser deixa no ar algumas palavras que me fazem noiar. 

epá e ficas ali aquilo que te parece ser a noite toda a noiar sobre aquelas palavras que provavelmente foram insignificantes mas tu viste nelas um significado escondido. e não descansas enquanto não consegues encontrar uma razão para as tuas dúvidas.

não vagueias. 

não paraste para pensar. 

seguiste em frente mas continuaste sem mudar de rumo, limitaste-te a seguir em frente, ao sabor do mesmo vento que agora te sabe de uma maneira diferente. estás maluco puto, só tu não vês. não estás maluco puto, estás só mais parvo. não produzes. limitaste-te a ficar sentado a pensar nestas últimas semanas. mudo tudo tão de repente, puseste-te numa posição tão fora do comum que te achas fora de sítio. tens medo.

                              olá.

não é na incerteza que vais encontrar tranquilidade, mas tão pouco será na tranquilidade que vais encontrar as respostas por isso pensas se valerá mesmo a pensar estar tranquilo se ainda não obtiveste todas as respostas. mas e se as perguntas estiverem erradas?

ah. ahahahaha. AHAHAHAHAHAHAHAHA.

merda.

estou mesmo parvo. não sei o que fazer, não sei o que fazer. quanto mais penso mais me perco. 

sexta-feira

é com sentido, é com sentido todos aqueles aspectos que pensávamos ser negativos acabam por fluir e desaparecer com o nosso esforço, com aquela nossa ideia de que amanhã será um dia melhor. mas hoje ainda temos tempo para pensar, para decidir, fazer continuar a lutar por um amanhã melhor. não percas tempo meu amor, a dúvida nunca será só tua enquanto me quiseres a teu lado, eu quero lutar por ti, quero lutar por nós, acreditas ou não mas quero cantar, apetece-me. eu sei que não sei cantar mas no fundo que importa isso? não importa, nem interessa desde que o segundo seja nosso.

aqui sentado a pensar nas reminiscências do passado apercebo-me de que assim não consigo encarar o presente nem preparar-me para o futuro. oh, my, fucking god que fucking poético. mas nada faz, nada resolve, o que procuro é sustentar a nossa felicidade, conseguir criar uma plataforma que te permita sorrir sem qualquer tipo de esforço mas com vontade. gosto tanto de te ver a sorrir. detesto o teu sorriso forçado. tudo o que mais quero é ver-te a sorrir. 

não te preocupes comigo pois não haverá nunca nenhum esforço enquanto conseguir manter-me acordado que me demova do teu sorriso. eu não sofro porque eu não posso sofrer, isso agora não existe. eu não me prendo, eu não me afasto, eu corro e vou, eu agacho-me eu grito e eu revolto-me mas eu não posso sofrer, nada me pode atingir, nada é mais forte do que o que quero para ti meu amor, I love you baby, por mais piroso que possa ser é a única verdade. 

tudo bem. não sou perfeito. mas grito. e não vou parar de gritar nem que a voz me doa, vou gritar até que te apercebas de tudo o que te quero dar. leva tudo o que quiseres de mim. leva o rim, leva a perna, leva o peito, leva o quiseres. tantas vezes te perguntei, o que esperas de mim? nada. secalhar sou apenas metade do homem que julgo ser. 

eu não sei mexer nas cordas de uma viola e esse facto deixa-me desamparado. mas será pedir muito que te encostes a mim quando tudo parece dificil e nos deixemos apenas levar pelo silêncio de estarmos juntos?

durante algum tempo tive medo de perder um pouco daquele que fui, sinceramente ainda tenho algum medo de ter deixado para trás demasiado de mim, de ter recalcado demais de mim demasiado fundo. hoje, não tenho mais esse medo. acredito, sinceramente, que só me vou conseguir voltar a encontrar se estiveres a meu lado.

mas eu sei que se voltar a ser quem era deixo-te triste e por isso, prefiro ser alguém diferente e ver-te feliz, do que encontrar-me e ver-te a esboçares um sorriso esforçado.