quarta-feira

epá mas que coisa esta, não sabes que aqui não se oferecem cheiros? não procures a tua identidade em links azuis ou coisinhas que te possam interessar em jornais e blogues alternativos que te façam festinhas na cabeça enquanto te enfiam cenas pelos olhos, olha, senta-te à mesa, bebe aquela bebida que não gostas, não te importes com isso, não é sentado de olhos abertos que vais crescer, talvez seja de pé mas de olhos fechados, não esperes que a guerra acabe, não comeces nenhuma guerra, não te tornes num soldado, pega no megafone despe-te e grita por liberdade, haverá algo mais bonito do que apenas tu e a tua barba, ou teu bruto moustage, chavalo pega num cavalo, chavalo corre os doors já acabaram, chavalo mantém-te atento, procura viver onde não sabes, não é ilusão, não te estou a tentar ensinar nada, não empino o nariz, não te tento orientar, mas é tudo tão fixe, olha, tal e qual como os passos que não tinham um baixo, pegaram em três guitarras e lá foram eles caminhando em direcção a eles próprios, cliché, é o maior cliché, isto são textos clichés, manda tudo à merda, reaproxima-te, não cries barreiras, não inventes desculpas, o caminho é para a frente, portas abertas, atira-te da janela, corta-te um bocadinho, aprende a sofrer e a viver, nada está fechado, tens mãozinhas, mano, tu tens maozinhas, bebe muita água, refresca-te, se calhar às vezes custa, achas que estás a sobreviver, e isso não chega? chega sim, pois sim claro que sim, pega numa letra bonita, grita meu, arrebenta, comunica, eles escutam, nada se perde, nada se desperdiça, não tenhas medo, sabes que às vezes quando te sentes frustrado não significa que estejas acabado, sabes que não sou teu pai, primo ou irmão, sabes bem que não te sou nada, mal te conheço, mas ouvi-te e gostava de aprender contigo, vem comigo para lá, vamos passar por aquele sitio outra vez, não te crispes, é chavalo, chavalita, bonita bonita, não te crispes, não fiz por mal, nem sei o que fiz, está feito, agora vamos em frente, pegar no tal megafone, vem comigo e brilhamos os dois, opa não te parece fixe? não te sabe bem quando te enganas na rua e encontras uma cena mesmo fixe? a vida é feita de cenas erradas, de enganos, aprende-se com isso por mais cliché que seja, bora lá então variar, bora lá então para a rua gritar, tocar musiquinha boa, mas não exageres, criemos a cena, a nossa cena, faremos que as nossas vibes se ouçam, nem importa ao que soem, bora lá pá, não faças essa cara, chega de lágrimas e cordeis, quero andar de escorrega contigo. vem e ouve-me, vem e empurra-me, dá-me um biqueiro, acende-me o cigarro, acorda maldisposta.

Sem comentários: