sexta-feira

Texto de um menino

Embrenhado num ódio já característico tornam-se duvidosas as nossas reacções perante os outros. Conhecemos alguém? A esperança média de vida é de 70 anos, ou à volta disso. Temos realmente tempo de conhecer alguém? Hoje estuda-se e sempre se estudou personagens que marcaram a história humana. sabemos quem foram e o que fizeram, conhecemos os contributos que deram à humanidade, sabemos quem foram mas quem eram?
"Está morto, podemos elogiá-lo" - Disse-o Marco de Assis. Morreu Saramago, exilou-se em 1993 ao sentir que o governo do seu pais não o queria mais por cá, morreu Saramago e não há boca que não o elogie, assim se vê a hipocrisia de um pais.
Numa breve conversa com a minha avó, apercebi-me que não a conheço tão bem quanto julgava conhecer. Uma matriarca à antiga, dedicada, educou-me e valorizou-me enquanto pessoa e alma, e passou por dias que experiência só as tive nos livros de história. "Vejo que está tudo melhor, há agora tanto açúcar" - Disse-me. Quando era mais jovem, em tempos de guerra, caminhava quando sabia que havia, centenas de quilómetros mais a sua irmã para irem buscar um pão, que daria, tinha mesmo que dar para mais do que uma semana. Como alternativa, punha num cesto de verga um tacho, e ia para a porta do matadouro, esperançosa de que para ela ainda restasse algum sangue de boi. Cozia-se no mesmo tacho que serviu de transporte, juntava-se água e sal e esperava-se que engrossasse. Já grosso, cortava-se às fatias e fingia-se de pão, outros tempos.
Este é só mais um planeta ao qual os humanos deram os louros da sua criação a um Deus, que raios? Qual a razão para ter criado Marte? Terá criado Marte? E se criou com que propósito? O único que vejo é o de fantásticas imaginações para guionistas e investigações para cientistas. Nada mais. Peguemos num exercito, onde a doutrina é tão explicita que uma massa de gente se exalta com as ordens de um superior, seja comandante ou general, é ele o sábio que conduz um mar de gente com as suas ordens e mandamentos nunca posto em causa, associemos essa manifestação de comportamento à de uma religião. Se fosse sabida a Verdade mais cedo, talvez a ideia de que um homem, com duas placas e 10 mandamentos, figura da terra ou de um Deus que criou Marte sem razão não tivesse tanta atenção.
Somos escravos subtis num campo aberto de vicios materiais, trocamos o nosso tempo por notas e moedas que mais não fazem do que representar um determinado valor, estamos a contrato com entidades que nos exigem o que aos seus não desejam, somos usados por patrões que acreditam num sistema desmoralizador para o espirito, vemo-nos obrigados a confiar mais no que os outros nos podem dar, do que naquilo que podemos fazer por nós próprios, por nós próprios, por nós próprios, semeando e colhendo o que precisamos e não o que desejamos. Somos levados pelos veios, transportados para as vicissitudes carnais, imorais, mas ao domingo, procuramos perdão junto de um Deus, que tendo criado tão belo planeta, encontrou num homem e em duas placas de pedra a maneira ideal de comunicar aos seus "a-fim-de-ser" fiéis súbditos a sua doutrina.
Engraçado, apelidamo-nos de superiores perante os outros animais, mas somos nós que no fundo mais provas de inferioridade damos. Nunca uma espécie fez tão pouco por merecer este cantinho no Universo. A nenhuma conclusão pretendi chegar, vejo-nos tão encalhados em falsas razões e verdades, vejo-nos tão presunçosos, tão pouco ambiciosos, deverá partir de casa a mudança e a revolução, não será Deus que nos salva, não será Deus que nos salva-guarda, é apenas uma imagem, é essa imagem que tem que mudar, somos nós que cá estamos que sofremos pelo que fazemos, cabe-nos assumir uma postura diferente, pelo menos tentar pouco a pouco apreciar. O quê, a cada um lhe tocará saber, da mesma maneira que o quando a cada um acabará por tocar, e é pelo tempo que nos ficamos, acaba por ser pelo tempo que cá estamos.

6 comentários:

Vítor disse...

Que idade tens?
Uma pergunta um bocado... "ingénua", mas não encontro qualquer informação sobre o autor no Blog... :)

Tribe disse...

Por alguma razão há pouca informação sobre o autor do blog, é um blog para amigos e pessoas que me conhecem e de uma maneira ou de outra conseguem achar alguma piada a uma coisa ou outra que eu escreva.

Vítor disse...

Não disse que não tinha piada, aliás, adoro o teu texto! Simplesmente fantástico.
Apenas perguntei a idade, de uma forma de te poder conhecer um pouco mais...
Aquela "coisa" de precisar alguém "tão compatível", percebes?
Abraço.

Tribe disse...

Sinceramente não percebi a que "coisa" se refere, agradeço que tenha gostado do texto a verdade é que não compreendo de que maneira é que ao saber a minha idade o vai ajudar a perceber essa "coisa" da compatibilidade.

Vítor disse...

Tudo bem.
Nem toda a gente "percebe-nos", não é mesmo?
Abraço.

Tribe disse...

Talvez tenhas criado alguma ideia errada, não percebi onde quiseste chegar, dou valor quando se quer chegar a um ponto sem rodeios, agradecia que para a próxima não te pusesses com "percebes e whatnot não tenho paciência para essas merdas