sábado

Incomplete Manifiesto for Growth de Bruce Mau

Escrito em 1998, o "Incomplete Manifiesto for Growth" é uma articulação de declarações exemplificando crenças de Bruce Mau, estratégias e motivações. Colectivamente, eles são como nós nos devemos aproximar de cada projecto.


1. Allow events to change you.

You have to be willing to grow. Growth is different from something that happens to you. You produce it. You live it. The prerequisites for growth: the openness to experience events and the willingness to be changed by them.

2. Forget about good.
Good is a known quantity. Good is what we all agree on. Growth is not necessarily good. Growth is an exploration of unlit recesses that may or may not yield to our research. As long as you stick to good you’ll never have real growth.

3. Process is more important than outcome.
When the outcome drives the process we will only ever go to where we’ve already been. If process drives outcome we may not know where we’re going, but we will know we want to
be there.

4. Love your experiments (as you would an ugly child).
Joy is the engine of growth. Exploit the liberty in casting your work as beautiful experiments, iterations, attempts, trials, and errors. Take the long view and allow yourself the fun of failure every day.

5. Go deep.
The deeper you go the more likely you will discover something of value.

6. Capture accidents.
The wrong answer is the right answer in search of a different question. Collect wrong answers as part of the process. Ask different questions.

7. Study.
A studio is a place of study. Use the necessity of production as an excuse to study. Everyone will benefit.

8. Drift.
Allow yourself to wander aimlessly. Explore adjacencies. Lack judgment. Postpone criticism.

9. Begin anywhere.
John Cage tells us that not knowing where to begin is a common form of paralysis. His advice: begin anywhere.

10. Everyone is a leader.
Growth happens. Whenever it does, allow it to emerge. Learn to follow when it makes sense. Let anyone lead.

11. Harvest ideas.
Edit applications. Ideas need a dynamic, fluid, generous environment to sustain life. Applications, on the other hand, benefit from critical rigor. Produce a high ratio of ideas
to applications.

12. Keep moving.
The market and its operations have a tendency to reinforce success. Resist it. Allow failure and migration to be part of your practice.

13. Slow down.
Desynchronize from standard time frames and surprising opportunities may present themselves.

14. Don’t be cool.
Cool is conservative fear dressed in black. Free yourself from limits of this sort.

15. Ask stupid questions.
Growth is fueled by desire and innocence. Assess the answer, not the question. Imagine learning throughout your life at the rate of an infant.

16. Collaborate.
The space between people working together is filled with conflict, friction, strife, exhilaration, delight, and vast creative potential.

17. ____________________.
Intentionally left blank. Allow space for the ideas you haven’t had yet, and for the ideas
of others.

18. Stay up late.
Strange things happen when you’ve gone too far, been up too long, worked too hard, and you’re separated from the rest of the world.

19. Work the metaphor.
Every object has the capacity to stand for something other than what is apparent. Work on what it stands for.

20. Be careful to take risks.
Time is genetic. Today is the child of yesterday and the parent of tomorrow. The work you produce today will create your future.

21. Repeat yourself.
If you like it, do it again. If you don’t like it, do it again.

22. Make your own tools.
Hybridize your tools in order to build unique things. Even simple tools that are your own can yield entirely new avenues of exploration. Remember, tools amplify our capacities, so even a small tool can make a big difference.

23. Stand on someone’s shoulders.
You can travel farther carried on the accomplishments of those who came before you. And the view is so much better.

24. Avoid software.
The problem with software is that everyone has it.

25. Don’t clean your desk.
You might find something in the morning that you can’t see tonight.

26. Don’t enter awards competitions.
Just don’t. It’s not good for you.

27. Read only left-hand pages.
Marshall McLuhan did this. By decreasing the amount of information, we leave room for what he called our “noodle.”

28. Make new words.
Expand the lexicon. The new conditions demand a new way of thinking. The thinking demands new forms of expression. The expression generates new conditions.

29. Think with your mind.
Forget technology. Creativity is not device-dependent.

30. Organization = Liberty.
Real innovation in design, or any other field, happens in context. That context is usually some form of cooperatively managed enterprise. Frank Gehry, for instance, is only able to realize Bilbao because his studio can deliver it on budget. The myth of a split between “creatives” and “suits” is what Leonard Cohen calls a ‘charming artifact of the past.’

31. Don’t borrow money.
Once again, Frank Gehry’s advice. By maintaining financial control, we maintain creative control. It’s not exactly rocket science, but it’s surprising how hard it is to maintain this discipline, and how many have failed.

32. Listen carefully.
Every collaborator who enters our orbit brings with him or her a world more strange and complex than any we could ever hope to imagine. By listening to the details and the subtlety of their needs, desires, or ambitions, we fold their world onto our own. Neither party will ever be the same.

33. Take field trips.
The bandwidth of the world is greater than that of your TV set, or the Internet, or even a totally immersive, interactive, dynamically rendered, object-oriented, real-time, computer graphic–simulated environment.

34. Make mistakes faster.
This isn’t my idea – I borrowed it. I think it belongs to Andy Grove.

35. Imitate.
Don’t be shy about it. Try to get as close as you can. You’ll never get all the way, and the separation might be truly remarkable. We have only to look to Richard Hamilton and his version of Marcel Duchamp’s large glass to see how rich, discredited, and underused imitation is as a technique.

36. Scat.
When you forget the words, do what Ella did: make up something else … but not words.

37. Break it, stretch it, bend it, crush it, crack it, fold it.

38. Explore the other edge.
Great liberty exists when we avoid trying to run with the technological pack. We can’t find the leading edge because it’s trampled underfoot. Try using old-tech equipment made obsolete by an economic cycle but still rich with potential.

39. Coffee breaks, cab rides, green rooms.
Real growth often happens outside of where we intend it to, in the interstitial spaces – what Dr. Seuss calls “the waiting place.” Hans Ulrich Obrist once organized a science and art conference with all of the infrastructure of a conference – the parties, chats, lunches, airport arrivals – but with no actual conference. Apparently it was hugely successful and spawned many ongoing collaborations.

40. Avoid fields.
Jump fences. Disciplinary boundaries and regulatory regimes are attempts to control the wilding of creative life. They are often understandable efforts to order what are manifold, complex, evolutionary processes. Our job is to jump the fences and cross the fields.

41. Laugh.
People visiting the studio often comment on how much we laugh. Since I’ve become aware of this, I use it as a barometer of how comfortably we are expressing ourselves.

42. Remember.
Growth is only possible as a product of history. Without memory, innovation is merely novelty. History gives growth a direction. But a memory is never perfect. Every memory is a degraded or composite image of a previous moment or event. That’s what makes us aware of its quality as a past and not a present. It means that every memory is new, a partial construct different from its source, and, as such, a potential for growth itself.

43. Power to the people.
Play can only happen when people feel they have control over their lives. We can’t be free agents if we’re not free.

Site oficial de Bruce Mau (manifesto)
Site super engraçado em flash com o manifesto

segunda-feira

Sim, eu gosto do Dragon Ball..

Mas não tanto como estes gajos!

Numa daquelas aventuras cybernéticas do "vamos lá meter qualquer coisa no google e ver o que aparece" pus dragon ball vs super man, o que eu fui fazer..

Apareceu logo a imagem mais brutal de todos os tempos:



Pretty nice hum?

Acabei por encontrar um fórum brasileiro com um tópico com 14 páginas de discussão no qual se discutia quem acabaria por ganhar, se eventualmente, o Son Goku e o Super Homem andassem realmente à porrada. Vou passar para aqui um dos argumentos mais fantásticamente fabulosos que encontrei (sim.. admito, eu li as 14 páginas, e acreditem está o rir):

"Tá errado, pois os kryptons não tem o dom de ter um poder infinito de força como evolução, isso já foi dito (não vale as histórias paralelas, né.) e como vai dizer que tem isso??
Eu já lí várias HQs (e olha que são várias sagas e tem muitos números, mas a maioria é tudo invenção, por isso está o calcanhar de Aquiles: vários buracos no enredo ou também tem coisas que não coexistem com outras coisas) e até já li e assisti o Dragon Ball. Então, complementando com o que vem em mente usando a base do que foi dito na realidade das histórias verdadeiras, como é que vai se dizer que um Superman é mais forte que o Goku, basicamente?? Não tem como, cara... porque um krypton não dá suposição de que a força aumente cada vez mais, e olha que o Apocalipse tem o dom de ficar cada vez mais poderoso a cada morte, agora como é que fica pro Superman?? Se não tem saída pro Superman contra o Apocalipse, chame o Goku que ele tem o dom de superar o limite, cara.
Um sayajin, cara... a raça sayajin tem este dom e vc já viu o lendário Brolly que tem fuderosos poderes que deixam qualquer um amedrontando, mas não sucumbiu por burrice, então, vejamos bem, se o Goku tem o dom de superar o limite, pode até superar (ou até já superou) o Brolly, mas digo de um super Brolly que não aconteceu. E lembre-se de uma coisa, o Goku recebeu convite para ser um deus, mas não quis, então, o Goku é muito mais poderoso que os próprios deuses do universo, cara. Se depender do Goku, ele pode chegar até SSJ10, porque não tem um limite máximo de um sayajin, só vai depender deles para se empenhar na evolução mesmo."

Brutal não está?

GOKU VS. SUPERMAN!

quarta-feira

Haiti

Segundo a Defesa Civil haitiana anunciou esta terça-feira, já estão confirmados 75 mil mortos, 250 mil feridos e um milhão de desabrigados.

Links onde se pode doar algum dinheiro para ajudar na reconstrução do Haiti e não só, doar dinheiro para ajudar os médicos em campo e as equipas de salvamento:

Unicef
AMI
Médicos do Mundo
Cruz Vermelha
Google

AJUDAR O HAITI: LIGAR PARA O FUNDO DE EMERGÊNCIA DA CRUZ VERMELHA PORTUGUESA: 760 20 22 22 (CUSTA 0,60€)

terça-feira

Sem Título

Escrevo isto enquanto oiço aquele tal bro que penso que percebe o que digo, foda-se que raio de mundo é este onde parece que tudo anda sem rumo? Aqueles risos de gozo vindos lá do fundo, ela não perdeu a noção sabe o que está a fazer e sabe que é errado, mas foda-se sabe tão bem. Toda a gente se diverte com a desgraça alheia, é fácil, porque não conseguimos sorrir com as conquistas alheias? Sentimo-nos inferiorizados ao ver outros alcançarem o que queríamos que fosse nosso, então tentamos destruir o que eles conquistaram. Seja de que maneira for, o que é deles mesmo que não seja nosso deles também não será, porque aqui o que importa não é a conquista é a sensação de vitória perante os outros. Quando nos esquecemos que quem importa somos nós? Que o importante é preocupar-nos connosco em vez de vivermos a olhar os outros? Que assunto tão cego mas tão certo, onde queremos chegar assim? Quem queremos ser? É isto? É isto que somos agora aquilo que realmente conseguimos ser? Todos estes complexos e dogmas sociais, todas estas nóias e bazófias infernais sem sentido mas sempre com dados colaterais, à toa? Foda-se é isto? Que digo.. fico sem palavras ao pensar, fico sem saber ao pensar, não sei o que dizer porque sinceramente pensei que fossemos melhor do que isto.
Criámos mentes degeneradas, mal construídas com ideias mal elaboradas, não conseguimos conter de formar aceitável a nossa fome por fome alheia, aquela ânsia de saber que os outros não têm o que nós possuímos, sendo nós os outros mas nunca os mesmos. Deixem-me eu ser eu, como eu quero ser, fora do vosso ambiente cuja mentalidade em nada me revejo, mas e as tais crianças? Mães à toa, sem noção da sua falta de sentido na educação daqueles que um dia lhes vão pedir dinheiro para tabaco e roubar dinheiro para smokings pretas, essas mães distraídas sem saída porque nunca souberam procurar uma entrada, de onde vieram estas mães? Estarão elas pré-destinadas a educar toda uma geração de forma errónea? Somos o fruto de uma má educação? Mas quem? Se quem governa hoje teve uma boa educação ontem, então foda-se.. estamos fodidos com esta nova fornalha de ideias vorazes e cruéis com sede de glória perante os outros onde a personificação do orgulho pessoal se esbarra na medida em que o que eu tenho tu não podes ter e o que tu tens, terei eu melhor, mas sempre, sempre, no sentido capitalista da coisa, materialista da coisa, no sentido negligente e em todo o sentido, mau da coisa. Que é feito daquelas ideias onde realmente, sem sombra de dúvida, ajudar o próximo é algo normal? Onde criar laços de esperança é algo normal? Onde um sorriso recém chegado chega para que a tarde tenha sido bem passada?
Não consigo compreender onde se foi buscar tanta raiva e intolerância, óbvio que ninguém nos percebe, estamos todos fodidos! E os danos que estamos a fazer hoje nunca os vamos admitir amanhã, seja, nunca vamos admitir que fizemos isto ou aquilo, seja, quando nos tocar a nós educar os nossos vamos fazer tudo igual ou pior, porque se a educação dos de hoje já foi má, a nossa foi pior e a de amanhã será ainda pior. Haverá esperança? Eu acredito que sim, conheço felizmente algumas pessoas que consigo ver que estão dispostas a mudar toda esta situação nefasta, sinto-me tranquilo ao saber isso porque tenho quase a certeza que os poucos bem educados de hoje trarão uma nova esperança para a próxima fornalha de mal-educados de amanhã. Começo a tomar consciência ou então foi a consciência que se encostou a mim, não sei, mas cansa-me e fustiga-me não saber que ideias ai vêm, porque as que tenho visto assustam-me. Ninguém se apercebe, no fundo ninguém quer saber porque no fundo ninguém sabe, estão todos tão embutidos na sua vida pré-feita, na sua sociedade pré-feita, com as suas ideias pré-feitas que não se dão ao trabalho de ir procurar algo mais, claro que não, estamos tão bem assim.
Existem boas ideias, sem dúvida, eu penso que existe é uma má junção de ideais. A minha ideia é a seguinte: um ambiente cria uma mentalidade, uma mentalidade é uma junção de ideias, boas ou más, incutidas num ambiente a propagação será inequivocamente passada de cabeça em cabeça até que se torne num ideal comum desapercebido por todos, defendem uma ideia mas não sabem onde a foram buscar, nem se lembram a partir de que momento começaram a pensar ou a agir de uma determinada maneira, sabem apenas que são assim. Entra o ambiente em acção, e o que temos hoje em demasia? Inveja, traição, rancor, falta de senso comum e ignorância, necessidade de ver o estado dos outros cair em desgraça, apontar para o poço que ajudámos a cavar enquanto nos rimos de quem lá se enterra, desgraçados. Caíram em desgraça sem se aperceber, foram levados por uma maré que lhes parecia confortável porque era assim que se sentiam adaptados e amados, confundiram emoções e sentimentos, em estado de negação aprenderam a odiar porque é fácil, puseram o amor de lado porque é fácil, aperceberam-se que é mais fácil apontar do que ajudar, caíram na tentação de não fazer nada porque já está tudo feito, deixaram-se ficar na mediocridade, pararam para olhar mas não para pensar, mais uma vez deixaram-se ficar na mediocridade, pararam, basicamente foi isso.
Tanta ideia gira, tanta gente gira, tanto sitio por onde ir sem nunca seguir, pensar em amar sem nunca pedir, é tão fácil gostar e compreender, a compreensão é uma arma que só os tolos menosprezam, que almas são estas, porque sofrimento passaram para hoje tanto quererem ver os outros sofrer? Façam-se gente, criem laços e amor, criem amizades, criem minutos que se possa falar durante horas, criem momentos que se possam falar durante dias, apreciem o que têm sabendo que o que é vosso chega, para que precisamos nós das jóias de outrem sabendo que um dia poderemos estar no coração de alguém?

Despiste Técnico

Operador: 'Desligue e ligue a powerbox e já deve ficar a funcionar'
Cliente: 'Já fiz e não dá nada!!'
Operador: 'Depois de ligar a powerbox, que luzes é que tem acesas?'
Cliente: A da sala e a da cozinha, porquê, faz interferência?'

sexta-feira

Contrastes


Mercedes-Benz SL600s, ou Luxury Crystal Benz, cravados com com 300 mil vidros cristais Swarovski no pavilhão de carros transformados da Garson/D.A.D no Tokyo Auto Salon 2010, Japão.


Um homem caminha por entre ruínas de edifícios de Port au Prince depois do abalo sísmico que atingiu o Haiti na terça-feira. O primeiro-ministro do país, Jean-Max Bellerive, disse ontem que poderão ter morrido "bem mais de cem mil pessoas" no terramoto que teve uma magnitude de 7.0.

imagens retiradas do Público online


sábado

stananananaaaaaaaa!!

ah untz putz

yeah yeah yeaaah

aaaah uuuntz putz putz hm hm hmmmmm

hmmmmmm hmmm hmmmm hmmmm

yeah yeah yeeaaaah

hmm hmmm hmmmm

hump hump hump

come come come aaaaah untz untz pum pum puum

yeaah

quarta-feira

lagarto na parede

voraz, passageiro, cruel pássaro que bate as suas asas sabendo que magoa
crias uma breve ilusão
nada, nada, nada, peixe nada
pergunta o bolo ao belo pavão

voas por cima de uma multidão
lá de cima vês amor
tentas suspirar paixão
mas sais melindrado e com pavor

sonhaste que conseguiste voar
pairaste sobre um céu claro
acreditaste que acabarias por amar
soubeste agora que deixaste cair o teu pote de barro

mas que barro, que barro é este?
a dúvida persiste
mas que barro será este?
a tentação persiste
serei eu o barro, ou será que o barro não existe?
até que a questão desiste
nunca o saberás porque fugiste

time frame

Apareço num instante sem ti a meu lado mas sempre no meu pensamento. Não quero praguejar, mas que opções tenho? Oh foda-se caralhos, conas húmidas e mamilos entusados, que coisa é esta, hormonas. D de fígado, meu amigo agora quem sou? Já não me vejo, sinto-me, mas sei lá, agora que fica turvo chegam as águas do passado, tento ofuscar com um parafuso já desapertado. Nada disto faz sentido, pudera, nunca vez.

Procuro procurar o que sinto nunca conseguir encontrar, praguejo, oh foda-se, oh foda-se oh foda-se, pinto porque lá está, a tela lá estava. Estava ela ali desnuda, quase pelada com pele de galinha, faz frio, faz muito frio, ela aquece-me com o seu suor delicado, oh o fascínio, que imensidão de sensações, só espero que seja segunda para estar com ela outra vez, oh meu anjo, minha bela, paixão efervescente como pastilha num copo meio cheio, como pastilha num copo meio vazio, como pastilha num copo a meio. Nem sei que dia é hoje, mas espero que seja segunda, olho para o relógio e vejo que é quarta, foda-se, praguejo.

Dizem que não sou mais do que um otário, do que um fedelho mimado, pois sou! Assumido, e não há nada que mais goste do que sentir em mim a delicia de uma mulher, paixão, amor, loucura agora, desilusão depois, e então? Somos assim, loucos, nem otários nem mimados, somos loucos, somos pessoas mimadas com mimos dados por pessoas amadas, outras perdidas, outras que apenas chegaram a ser geniais.

Saudades dos tempos em que éramos dois sendo nós apenas um, lembras-te? Aquelas tardes passadas a ver o nosso rio, a ver a nossa praia, a ver o nosso sol, tudo isto era nosso porque o momento era nosso, só nosso, não o comprámos, conquistámo-lo à força de beijos e abraços, foda-se que sensação perdida que tanta falta me faz, mas agora perdeu-se e nenhum de nós parece querer reconquistá-la. Não há nada que o tempo não cure, e parece-me que também cura a paixão.

Sempre quis negá-lo, mas já não consigo. Eu amo. Amo demasiado. Dou-me demasiado, mas sinto sempre que nunca o vivi o suficiente. Ia acabar esta frase com um "E agora?", mas chega de perguntas, é tempo de ir em frente, seguir a maré do vento, voar nas ondas da praia tentar por um bocado não pensar no que virá depois, se calhar, talvez, vou sentir saudades de ponderar cada passo, cada olhar e cada beijo, se calhar nem vai ser preciso, veremos.

Pois bem, e agora? Oh, praguejo, puta que a pariu, lá veio a puta da pergunta. E agora? Oh, praguejo, puta que a pariu cá está ela outra vez. Agora nada, e rio-me, rio-me não apenas porque posso mas sim porque quero. Se me dissessem que hoje ia estar assim eu não acreditava, limitava-me a pedir um beijo.

É só isso que quero, um beijo. Eu e o beijo, mas então.. sou assim, habituem-se. Não gostam.. fodam-se, não faço planos de agradar a todos, até, porque já me disseram, é impossível. Mas eu tentei, que nunca ninguém ouse dizer que não tentei agradar, que não fiz por agradar, se não o consegui já não me diz respeito, perdão não peço porque pelo que vi, nem sempre foi por mim.

Farto de tentar as esperanças sempre na mesma pessoa ou às vezes na pessoa errada, mas já está, já foi, provavelmente vai ser e será, que seja, agora é assim. Também sinto falta de ser gente, e perco muito por vocês, sofro muito por vocês. Quem pensam que sou? Um saco de porrada? Um bicho sem alma ou sentimentos incapaz de saber que o magoam e aleijam? Foda-se, fiz o que pude, sei que tenho as minhas falhas mas se não fiz mais foi porque não consegui, acreditem que tentei.

Que terá sido por sinal? Falta de comunicação? Medo? Amor? Loucura ou temor de algo mais grave? Não sei, sei que correu mal, agora já está. Seguimos em frente com sorrisos novos e ideias distintas, fizemo-nos gente, pessoas com personalidade, acreditam que não queria ter perdido um segundo mas lá está, agora já está.

Adorei cada tarde, adorei cada palavra, adorei cada sorriso, amei o tempo em que nada se deu por perdido, amei tudo e quando me lembro sei porque amei, amei porque foi bom, e para mim sempre o será.

Obrigado por tudo, dizia nomes, dizia caras, dizia frases e palavrões mas agora não vale a pena.

Boa sorte, nada mais desejo, felicidade, nada mais procuro.