quarta-feira

E agora tempo?

No principio era o sonho.

Não consigo pensar, basicamente é isto, logo, não me sinto a existir. Quero escrever porque gosto da sensação que tenho quando o faço, é a maneira mais certa que encontrei para tirar pesos, para expulsar preocupações, para questionar medos, para falar de amores e paixões com alguém que sei que não me ouve. Tenho necessidade de olhar para o relógio para saber há quanto tempo estou a pensar em ti mas não o faço, oiço o barulho do cassio a indicar que acabou de passar mais uma hora e pareceu-me que passou apenas um minuto, é estranho, quando penso em ti o tempo passa a correr mas quando estou contigo o tempo pára, todo o mundo é nosso num perfeito instante. Eu disse-te no outro dia mas tu não pareceste convencida. Já te disse tudo, já te dei todas as minhas certezas, já te mostrei todos os meus medos e desilusões, contei-te todas as minhas paixões, tentei dar-te tudo sabes? Tentei fazer com que te apercebesses que se me desses uma hipótese eu podia-te mostrar que sei amar, fiz-te ver que até à bem pouco tempo não conseguia ou que pelo menos não sabia se queria voltar a amar alguém, contigo a meu lado fizeste-me ver que sim, que estou preparado para voltar a amar, que estou preparado para me dedicar a alguém, que queria dar-te a ti um pouco de mim, sempre, sempre, sempre, sempre, sempre, sempre para sempre, mas tu não pareces convencida.
Eu sei, eu sei os teus medos, as tuas dúvidas, as tuas aflições, a tua ansiedade, embora não saiba a 100% tudo o que sentes sei que sentes algo, peço-te que partilhes comigo a tua dor, confia em mim, garanto-te que se me amares um terço daquilo que te amo ficaremos juntos para sempre, infelizmente este sempre é finito, engraçado.. quando penso em nós penso que é infinito.
Acredito e compreendo que não seja fácil abandonar um mar de certezas e emoções, de bonitas palavras, de bonitas memórias para entrares num lago pequeno, recém feito por uma tempestade de beijos e mimos quando no fundo a única certeza que te posso dar é que nunca te vou deixar afogar.

E então apareceu o medo.

Neste momento, agora e talvez desde sempre tudo o que quero, tudo o que sempre quis é que sejas feliz, que continues a ser aquela pessoa por quem me apaixonei mas ao ver-te assim cheia de dúvidas, angustiada, aflita, deixas-me reticente e apreensivo, fico eu então com a pergunta: Será que devo? (Sei apenas que quero) Será que devo continuar a lutar por ti sabendo que toda esta situação te põe dessa maneira, ou desisto? Ao desistir, ao afastar-me de ti certamente que a tua confusão desaparecerá, voltarás a ser quem eras, feliz, sem dúvidas nem aflições, apenas com esse teu lindo sorriso e uma mão cheia de certezas. A última coisa que quero é que te sintas pressionada, que te sintas assustada por não saber o que fazer, não precisas de fazer nada, basta que me digas que estás farta, diz-me "Não, chega" , sabes que compreendo, tu é que ainda não compreendeste que apenas te quero ver a sorrir.

De repente mostraste um pouco de ti.

Tive a atitude mais parva que podia ter tido contigo, fui num dado momento sem me aperceber o tipo de pessoa que detesto e costumo meter de parte, fui insensível, fui aquilo que não mereces, acredita que não me apercebi, talvez por isso tenha ficado tão chateado, como é que não vi? Dei-te então num momento uma data de razões para que me odiasses, se o quiseres fazer não te condeno sinceramente acho que mereço.
No entanto foste injusta, bastante injusta. Sabes que não o fiz por mal, não sabia o que querias e agi como normalmente o faria, se me o tivesses dito no momento tudo seria diferente, tinha-te dado as minhas razoes, perguntaste apenas depois, mais tarde, por isso é normal que tudo o que te disse te tivessem parecido desculpas, acredita que não o foram. Não soube como reagir porque não sabia como querias que reagisse, estavas à espera de mais de mim e não fui capaz de te o dar portanto comparaste, arranjaste ali uma razão plausível, certa dentro de ti para que tudo isto acabasse. Acredita que significou mais para mim do que julgas, se te pareceu que não o demonstrei pela forma como reagi só prova que não me conheces.

Um pedido de Desculpa, talvez dois.

O que eu quero mesmo, aquilo pelo que mais anseio é pelo dia em que me digas que sou quem queres, que sou aquele que amas, que sou eu quem vais procurar quando precisares de falar sobre os teus medos e receios, quando tiveres que chorar, rir, tudo o que quero é que me ames, tendo sempre em mente que isso não vai acontecer pouco mais me resta do que suportar esta dor, suportar a ideia e o pânico de saber que nunca te vou ter. Canso-me de pensar em ti, canso-me de repetir palavras e frases sobre ti, sobre nós, tudo comigo aqui sozinho com a caneta, super engraçado só me aperceber agora que só o faço porque neste momento não me consigo ver a fazer mais nada.

Apaixonado.

Parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo, parvo. Tudo isto em poucas horas, enfim, Amo-te.

Hoje sei que já não te quero (ou não).

Acredita, já não consigo. Não quero ser nos teus braços um fantoche que usas para escapar da monotonia da tua relação, mereço mais do que isso, preciso mais do que isso. Não sei como me vês nem como me queres ver mas sei, sinto, que não me vês como devias. Por quem me tomas? Achas que apenas te amo por saber que não te posso ter? Hoje vi que não vale a pena, tentei, lutei, mas sinto mesmo que acabou. Isto era a ultima coisa que queria pensar, isto era a última coisa que queria escrever, mas não consigo mais, não aguento mais, achas que também não sofro com tudo isto? Dizem-me que devo esperar, que devo dar tempo ao tempo, que devo esperar que o tempo dê tempo ao tempo, que o tempo precisa de tempo, que tempo sem tempo.. Que merda isto do tempo. És tu quem eu quero, estava decidido a esperar, mas não sei se consigo dar mais tempo ao tempo.

PS:

Para os mais incautos, isto não foi um texto foi um desabafo. Um sentimento em contenção que acabou por sair. Não é a primeira vez que tenho alguns desabafos, é sim a primeira vez que tenho um deste tamanho. Sinceramente não me sinto confortável ao vê-lo aqui exposto assim, ao ver-me assim exposto. Sinto-me esgotado verbalmente, estou sem paciência para escrever ou para pensar. Sinto que disse tudo o que tinha para dizer, sinto que já não há nada que possa ser dito em relação a isto, a sério que não sei o que fazer, estou confuso, vou dormir.

Sem comentários: