terça-feira

Certas Pessoas

A certa altura, arrogância à parte, apercebo-me de que certas pessoas já não fazem parte, que o tempo delas passou, que foi giro enquanto durou. Tivemos as nossas conversas, necessárias e adequadas para a altura, e sim foi giro, sem sombra de dúvida foram as melhores horas passadas, os melhores tempos, mas hoje, nada do que dizem parece fazer sentido, não consigo encaixar as ideias delas e consequentemente nem elas as minhas, ao falar com alguém do passado aparece sempre aquela sensação do género "Boa, já não te via ao tempo" mas acaba depressa quando os lábios se movem, quando o tempo pára e apercebemo-nos que no fundo o tempo realmente parou, para mim, para ti, para nós, seja, eu fiquei parado no espaço tempo em que me conheceste, e eu também te vejo assim: como a mesma pessoa que deixei desde a ultima vez que te vi, ignorando todas as tuas novas ideias, novos amores, novos desgostos. Tendo sempre em mente a pessoa que conheci custa-me agora largar a imagem que tinha de ti, e não consigo aceitar tudo o que me queres dar de novo, frustração. Será assim tão difícil? Não a acompanhei mas desejo tanto conseguir voltar a alcança-la.
No entanto pergunto-me: mas que desejo é este? Vi-te durante tão pouco tempo e mesmo assim não consigo parar de pensar em ti, felizmente tudo o que me disseste naquele curto espaço de tempo em que estive contigo foi suficiente para perceber que não estavas preparada para me perceber, para me conhecer, e sendo assim, recorrendo ao bom Português, que remédio tenho eu senão aceitar, aceitar que foi bom, que o passado que tivemos ainda é suficiente para sorrirmos de vez em quando quando pensamos no que foi, mas que provavelmente quem somos hoje não é suficiente para sorrirmos amanhã ou mesmo agora, no entanto sorriste, não porque me viste mas porque me ouviste.
Foi isto que eu senti, tudo porque no fundo foi esta a mensagem que passaste, agora que sei o que sentes que sei que amadureceste apenas de peito, não sei o que me resta fazer senão admitir que de ti não devo esperar mais do que aquela pessoa que conheci.

1 comentário:

Anonymous disse...

Sinto-me a personagem desse teu texto. É estranho, mas sinto-me assim contigo e com todos. (mero desabafo, podes apagar depois)
beijo,
cátia