sábado

Curtis Mayfield - Move On Up

Colado no quadro de cortiça

Gostava de viver num mundo homogéneo onde as diferenças entre cada um se notem pela maneira de pensar e não de vestir. Onde quem tentasse comprar o que fosse seja enfiando dentro de uma cela sem água e luz até aprender o que significa prosperidade.

(ideia para desenvolver, apeteceu-me partilhar)

Sei lá achei piada

terça-feira

Camel

Did you know..
Every cigarette shortens your life by 9 minutes.
Having sex, lengthens your life by 14 minutes.

Conclusion:
Smokers, fuck for your lives !

segunda-feira

De Armstrong a Ronaldo

Lance Armstrong, Rafael Nadal, Roger Federer, Luís Figo, Cristiano Ronaldo: heróis do Desporto, figuras públicas amadas e odiadas, milionários com gostos próprios e extravagâncias, símbolos da cultura pop que tende a unificar artistas dos mais variados quadrantes.

Cada qual à sua medida, todos conferem maior visibilidade às origens, sendo observados como modelos de comportamento por milhões de fãs. Sendo especiais pelos invulgares talentos, não escapam à condição humana que tanto se imortaliza pela proeza como se reduz ao erro inacreditável.

Ciclismo e ténis reuniram, durante algum tempo, os três primeiros em provas na Austrália, boa oportunidade para avaliar como estão os níveis de carisma e popularidade de cada um.

E a resposta voltou a unificá-los: Armstrong trouxe multidões às estradas mesmo sem ser (ainda?) o genuíno heptavencedor do Tour, além de promover a luta contra o cancro; Nadal e Federer contribuem para que o primeiro Grand Slam de 2009 tenha mais momentos históricos (o suíço até pode igualar Pete Sampras com 14 triunfos em provas desta natureza) e também têm auxiliado diversas causas.

Super-heróis? Sim, mais vezes do que qualquer um de nós. Mas, acima de tudo, humanos.

Autor: PAULO JORGE PEREIRA
Data:
Domingo, 25 Janeiro de 2009 - 15:07
in Record.pt

sábado

Hoje foi perfeito

Sinto que já não estou ao teu nível, sinto que as expressões faciais ficam presas quando tento fazer-me passar por alguém que não sou para te agradar e quando sinto que reparaste que me estou a forçar em demasia desvio o olhar e tento esconder a vergonha de ter sido descoberto.
Esforço-me tanto para conseguir ser aquele que queres que eu seja ou mesmo aquele que te poderá agradar mas cada vez mais vejo que não consigo e tenho medo que te esqueças de mim, tenho medo que me ponhas para trás por já não te conseguir apanhar no raciocínio ou na maneira de estar e lidar com a vida e com os problemas que ela nos traz, tenho medo que me ponhas para trás por não conseguir aproveitar a vida como tu fazes, tenho medo que me vejas como alguém que já não te vai conseguir dar nada de novo.
Quero contigo morder o lábio e aproveitar a viagem sem ter medo de escorregar, quero contigo ser tanto, quero perder o medo contigo, quero amar contigo, quero aproveitar contigo, quero amar-te porque hoje apercebi-me que não sei fazer mais nada.

sábado

AH!!

Pá finalmente descobri porque é que às vezes custa-me um bocado conseguir manter um fluxo de conversa dito normal sem entrar numa zona completamente parva e sem sentido. O que se passa na realidade é que eu LÁLÁLÁLÁLÁLÁLÁÁÁÁ. Tão a ver? É super difícil eu conLÁLÁLÁLÁLÁLÁLÁLÁ!!!!!!!!!!! É meio chato.

Diálogos com as teclas

- Eu acho que sinto que já sei.
- Já?
- Yeap.
- E consegues explicar?
- Nop, nem por isso.
- Então não sabes.
- Sei, sinto, mas não sei explicar.
- Isso dá?
- Dá o quê?
- Sentir e não explicar.
- Pá.. parece que sim.
- Então o que sentes?
- Sinto..
- Não sabes?
- Sei o que sinto já te disse, mas se não te sei explicar o que sinto portanto como queres que te diga o que sinto?
- Ok ok não te chateies.
- Não tou chateado tu é que tás a insistir.
- Não não estou.
- Claro que estás.
- Apenas gostava de sentir também.
- Mas não sentes?
- Nunca senti.
- Então.. como consegues viver?
- Quem te disse que estou vivo?
- Mas estamos a falar..
- Estamos?
- Pelo menos é o que parece.
- Exacto.
- Como assim?
- É o que parece, se parece pode não o ser.
- Então..
- Então estás a falar sozinho.
- Mas tu respondes-me.
- Se eu deixar de te responder ficas sozinho.
- Não faças isso.
- Porquê?
- Porque sinto.
- O que sentes?
- Nada por enquanto, mas sei que vou sentir.
- O que achas que vais sentir?
- A tua falta..
- Porquê?
- Porque sem ti fico sozinho.
- Então vamos.
- Onde?
- Sentir.
- Mas eu não sei se quero.
- Porquê?
- Tenho medo.
- Medo de quê?
- Do que possa vir a sentir.
- Mas assim.. espera, tu confudes-me.
- Confudo-te?
- Bastante, queres sentir mas tens medo do que possas vir a sentir?
- Sim.
- Então.. porque choras quando não sentes?
- Como sabes que eu choro quando não sinto?
- Vejo-te, responde.
- Choro quando não sinto porque tenho medo de ter sentido pela última vez.

terça-feira

Barack Hussein Obama



Música: 2Pac - All Eyez On Me

A escolha da música pode parecer estranha mas a verdade é que neste momento toda a gente tem os olhos postos no Obama. Correndo o risco de parecer um bruxo-esquizofrénico, tenho quase a certeza que a cerimónia na casa branca quando Obama assumir o cargo de presidente estadounidense vai ser visto por meio mundo (a China também está incluída). Não precisei de ouvir muitas músicas para me decidir, Tupac foi um dos músicos mais influentes do seu tempo e continua a sê-lo, e o Obama.. bem o Obama é o Obama, mesmo que não venda 75milhões de álbuns tenho quase a certeza que vai conseguir mudar uma mentalidade ou outra.


"I'm not saying I'm gonna change the world, but I guarantee that I will spark the brain that will change the world" - Tupac Shakur


(Imagem retirada do site oficial da revista Time - www.time.com)

Seis dias depois

segunda-feira

Hoje apetece-me um texto frito, não mexido, frito.

"Portanto começa assim: Já te desejei ter mas agora apenas te vejo como um objecto que admiro e me fascina."

E ora cá estou eu mais uma vez, são 5:24 da manhã e estou sem sono, tenho vontade de ir dormir porque tenho que acordar às 8 mas não tenho sono nenhum e ir para a cama sem sono é o mesmo que.. hm.. sei lá, há de ser o mesmo que qualquer coisa, estou farto das minhas comparações parvas. Não acho que seja insónias acho que é mais horários trocados não sei, não faço nada da puta da vida a não ser comer e dormir, ou seja, tinha mais lógica se eu fosse um urso do que um humano.

(...)

Agora são 5:35 da manhã e perdi 10 minutos da minha vida a olhar para uma editbox em branco sem saber o que escrever, portanto acho que (e mais uma vez usando a lógica) posso deduzir que ando a aproveitar mal a única vida que tenho.
Tenho os fones nos ouvidos para não incomodar ninguém, posso ver porno sem incomodar ninguém, ou posso simplesmente escutar porno, mas não! Como louco que sou decido-me por uma abordagem muito mais maluca e radical para ganhar sono e vou ouvir música para o youtube (se a minha mãe sabe disto manda-me para o julio de matos).
Em poucos minutos já corri os vídeos todos de música que estão no youtube, o que é incrível visto que não estou sobre o efeito de LSD, fui mesmo eu. Não consigo encontrar nada que me agrade, os meus ouvidos pedem e gritam para que os ponha a ouvir meninas sem liberdade e escolha própria para a profissão que têm e que são obrigadas a gemer de uma maneira tão realista quanto natural: "MAIS FUNDOOO!!" - A sério? Mais fundo? Chavala só falta mesmo entrar o esquerdo.. A sério? O porno está cada vez mais doentio... A sério?
E É AI! (ponham ênfase ao ler este E É AI!) E É AI! Que me lembro: "Pá.. por falar em falta de liberdade de escolha.. Os estados-unidenses (a.k.a. U.S.A) tiveram bué concertos fixes e que revolucionaram a maneira e o modo de vida da maioria dos cidadãos estado-unidenses !!"
E é ai meus amigos e amigas.. E É AI!.. Que me deparo com vídeos de woodstock.. E É AI.. Que me deparo com o Soul Sacrifice do Carlos Santana.. E É AI, que a minha vida muda. Assim que o vídeo começa a dar, arroxo, pumba! Tão certo como o destino, caí direitinho no chão a dormir qual urso hibernado.
São 14:47 da tarde e acordo com o maxilar dorido e com uma galo na testa, abro o olho esquerdo e olho para o monitor e vem-me tudo à cabeça. Sento-me na cadeira, agora preparado para o que vou ver e ouvir e oiço a música o dia inteiro, sinto-me.. sei lá como é que eu me sinto, sinto-me bem, é estranho mas sinto-me bem. Continuou com os fones nos ouvidos, se não fizer barulho toda a gente pensa que estou a masturbar-me e ninguém entra no quarto, e imito o Santana a tocar guitarra (ou pelo menos tento), pego em duas canetas e tento imitar o Mickaël Shrieve mas também não consigo e começo a perder a noção e caio redondamente no chão, perdido e confuso mas foda-se não me vou pôr aos gritos não quero ser internado, engulo a dor e fecho os olhos, dói-me o estômago e sinto a coluna a querer romper as costas e fugir, com as dores desmaio e deixo-me dormir.
Acordo outra vez com o maxilar dorido e com o mesmo galo na testa e na mesma posição, abro o olho esquerdo e olho para o monitor e fico confuso, estarei drogado? Terei sido raptado por aliens? Será que o governo me está a usar como cobaia? OH MEU DEUS, SERÁ QUE SEREI CRISTÃO?? Então, perante tantas dúvidas, aparece uma voz, uma vozinha bonita e querida, uma vozinha amiga, e diz-me:
- Olha lá caralho, mas tu tás stone ou quê foda-se?
- Tu parecias simpática quando tossiste.. (pergunto eu enquanto deixo cair umas gotas de mijo, tal não é o estado de pânico em que me encontro)
- CALA-TE! Se tu fosses violado por 4 perus muçulmanos também perdias a boa disposição.
- ?
- Ok, eu apresento-me: sou a tua consciência.
- És?
- Não.
- Epá tu não me confudas mais, diz-me lá quem és se faz favor.
- Se fosse por favor não te o dizia..
- É ao contrário!
- O quê?
- Caga.. - perco a paciência e o medo, e grito - FODA-SE MAS QUEM ÉS?
- Sou a campainha e tu estás a ter um pesadelo bué frito.

Acordo de repente, assustado e à rasca para mijar. Vou à corrida para a casa de banho com a tusa do mijo, lavo a cara olho para o espelho e a única coisa que me vem à cabeça é o sonho mais frito que alguma vez já tive, mas é estranho eu lembrar-me porque normalmente não me lembro dos sonhos que tenho.


(...)

São 6 da manhã, e eu passei quase uma hora em frente ao monitor a escrever sem saber o que escrevi, portanto meus amigos e amigos nesta altura só tenho um conselho para vos dar:

NUNCA DÊEM BONGADAS COM RUFFLES DE PRESUNTO ENQUANTO OUVEM JANIS JOPLIN !!!!!

sexta-feira

Primeiro de 2009

Vocês são as pessoas mais deprimentes de sempre. Pá não a sério, conseguem ser mais deprimentes? Para este ano que chegou não vos quero ao pé de mim, estou farto de tantas complicações e mesquinhices sem fundamento e razão, chega de pressas sem sentido basta de mandar palavras para o ar com esperança que alguém encontre nelas um pingo de dor e vos dê conforto sem que isso seja necessário, não estão a fazer mais nada do que exigir de alguém o esforço que podia gastar em alguém que realmente precisa de apoio.
Começo a pensar que têm medo de perder tempo, querem ver e fazer tudo ao mesmo tempo e quando vêm o relógio a andar mais depressa do que estavam à espera pronto! Param no tempo e ficam parvos a olhar para o ponteiro das horas como se de repente se esquecem-sem de quem são, mas no entanto tão ou mais depressa voltam a quem costumam ser: pessoas sem sentido ou razão cujo único sentido que conseguem levar à vida dos outros é fazer-lhes ver o mal que as coisas têm quando tudo parecia bem.
Eu acho que são doentes, todos, a sério eu acho mesmo que são todos doentes, que agem sem saber porquê ou melhor que agem sem saber como agir e então inventam, mas corre mal e continuam a inventar até que têm que recorrer à mentira e então perdem-se e não sabem onde estão e começam a meter os pés pelas mãos e chega a um ponto, chega a uma altura em que não sabem quem são, mas entretanto já passaram e encarnaram tantas personagens diferentes que foram destruindo o ponto de vista e as respostas de tantas pessoas que acabaram de mudar o curso da história simplesmente mudando as perguntas de alguém com a vossa sede de atenção.
Por isso não, não vos quero ao pé de mim. Porquê? Porque tenho medo. Tenho algumas perguntas, sei que perguntas são e já consigo cheirar algumas respostas e vocês a única coisa que me podiam trazer seria dúvidas e questões, MAIS, E MAIS, e ainda mais dúvidas e questões e eu estou tão farto de dúvidas e questões que de vocês só quero espaço, distância, liberdade para respirar e puder ser eu a criar as minhas próprias dúvidas, medos e temores, sem ter que viver as vossas dúvidas, medos e temores. Fujam de mim, tenham medo de mim, se eu vos apanho a tentar contaminar ou sequer conspirar em tentarem fazer de mim pouco menos do que aquele ou aquilo que sou, vos-vos perseguir, e perseguirei meus amigos e fúteis inimigos, perseguirei-vos até nunca mais.
Perguntei a mim mesmo o que penso e a primeira palavra que me ocorre é triste. Este mundo é triste, torna-se triste e torna-nos triste com uma rapidez alucinante. Não importa que padrões tens, não sei como te guias a ti ou como guias a tua maneira de lidar com os outros, mas independentemente dos teus padrões no fim e ao cabo acabamos por ser todos tristes, porque repara, e repara mesmo: se alguém acha que tu és triste simplesmente porque fizeste ou lidaste com alguém de uma maneira que ele achou triste, enquanto que para ele a maneira de lidar era a ideal, e se para ti a maneira como ele quer lidar é a maneira mais triste, quem é o triste então? Chegas-te a mim com um cara triste, estás triste, passou-se algo triste, logo ao aproximares-te de mim consigo sentir a tua tristeza e passo a ficar triste por ti e contigo. Se estás triste, chega-te mas por favor peço-te que não me ponhas triste também. Não me importo de compartir a mesma tristeza que tu, não me importo de partilhar contigo a tristeza que transportas, mas por favor peço-te: pede-me apenas para te ajudar porque sou e muito provavelmente serei incapaz de te salvar. Se chegas a um café e vais para a mesa com o teu grupo de habitual de amigos e estão todos a rir vais-te por de trombas e meter toda a gente triste? Não sejas egoísta, a sério se alguém quiser partilhar a dor contigo tudo bem, mas não assumas que toda a gente tem o direito de sofrer o mesmo que tu só porque num dado momento precisas de apoio. O mundo é enorme, gigante, e felizmente não é todo para vocês, pessoas deprimentes que por não conseguirem ter aquilo que gostavam tentam transformar a vida dos outros na coisa mais miserável que consigam simplesmente porque não sabem ser ninguém.

Portanto o que eu quero mesmo, o que eu realmente espero e desejo para este novo ano é muita descomplicação e muita fartura de coisas boas e bonitas.