domingo

Falta-lhe um livro

Talvez por seres demasiado gira, não sei, és-me para mim neste momento o meu ponto franco, o meu amargamente doce ponto fraco.
Não consigo raciocinar por dois segundos sem passar três segundos a pensar em ti, não sei se pela tua beleza ou pelo desdém com que me tratas, desejo-te.
Fazes de mim alguém frustrado, alguém pelo qual ninguém tem dó porque apesar de tudo sou visto como apenas mais um parvo, fazes de mim alguém sem alma, alguém francamente angustiado.
Talvez, e sim uma vez mais, talvez pela tua beleza, pela tua doce, sincera e franca beleza, foi assim que fizeste com que eu perdesse a alma, ficou inundada na tua subtil leveza de ser, ficou apaixonada pela forma como o ar te contorna apenas porque tem medo de te magoar e pânico se sentir que de alguma maneira tocou em ti sem devida permissão.
Nem é muito pelos teus belos olhos que me param qualquer batimento cardíaco que entretanto surgiram no momento em que para mim olhaste, não, muito menos será pelas tuas sardas barulhentas, sardas essas que quando as oiço o mundo inteiro torna-se mudo ou quiçá sou eu que me torno surdo, seja como for não se calam.
Porque será então? Oh triste dúvida, meu Deus mas que sádica questão. Oh se eu soubesse, se soubesse dormia nas palhinhas, mas não, ultimamente ressono numa cama de pedras onde não paro, não consigo deixar de pensar em ti. Se eu não soubesse dizia que estou apaixonado, é então que começo a rir que nem um louco porque sei que te amo.

Férias

Estou de férias e não tenho tido tempo para o blogue, só para mim (bastante egoísta da minha parte eu sei).

Enviaram-me um comentário que só hoje vi e tive pena que a pessoa em causa não tenha deixado email de contacto.

Se por acaso o comentário for fake e seja apenas um acto de rebeldia naquela onda do "muhuahua apetece-me gozar" fico bastante contente, porque epa, se tiraram tempo das vossas vidas inúteis cobertas de morangos para gozarem comigo é sinal que de uma maneira ou outra se preocupam.
Por outro lado, se estiver completamente enganado relativamente a quem me enviou o comentário, então quero agradecer tão amáveis palavras. Acredita que não estava à espera que realmente existisse alguém que leia e aprecie o que escrevo, muito muito obrigada.

[ah e coiso] yeap, era mesmo contigo. se pudesses deixar o email era do melhor, obrigada.

Pelo menos tentar

Ainda agora não fui mas já estou carregado de dúvidas. Tenho uma pequena ideia daqueles que espero encontrar mas tenho mais receio daquilo que realmente possa vir a encontrar. Vejo uma pequena nuvem de fumo mas está completamente desenquadrada e fora de contexto, no entanto não sei se chega, chego a casa e arrebento, entretanto a nuvem acaba por se dissipar, pouco, mas o suficiente para conseguir ver algumas pessoas que me amam, são essas pois e sem sombra de qual nuvem nas quais sei que me vou focar.
Dou mais um gole no café, é o último gole que sei que vou dar naquele café por isso aproveito, demoro mais tempo a inclinar a pequena chávena e saboreio o gole do principio ao fim, o primeiro contacto com os lábios, o contacto com a língua, com os dentes, sinto o sabor amargo do café e faço cara feia, é então que me vens à cabeça, pareces-me diferente mas no entanto estás igual, logo ai penso e assusta-me, assusta-me saber que me vou aproximar de ti, e de ti, e de ti, e de ti, de ti, de ti, de ti de ti de ti de ti e claro de ti, e depois, ai e depois, foda-se nunca mais sei o que vem depois.
Fico chateado porque não quero mais dúvidas, desta vez quero e sei que vou sair daqui cheio de certezas. Desta vez vai ser tudo diferente sem nunca ter medo de poder vir a perder o doce sabor da tão agradável repetição, o repetir de certas sensações, momentos e emoções. Desta vez vou aprender, vou ensinar, desta vez vou tentar criar.