domingo

Aconteceu

Sempre assim assim, toque suave, beldade negra com cheiro a mar. Como numa folha em branco desenho a tua figura, apaixono-me literalmente, deixo-me envolver pelo sabor húmido que sobe por mim, desdenho-te e quero-te comprar, trincar um pouco de ti, querer um pouco de ti, dizem-me que peco eu digo que vivo.
Entro na sala e vejo-te nesse sofá vermelho, a sala costumava ter uma essência amarga mas hoje é doce, cheira a mel, lembo os dedos e refastelo-me em sonhos quentes, sinto-te na carne e mordo, como um bocado de mim e saboreio um pouco de ti. Estridente mistura de sabores, picante suave, cores a girar, estava sozinho no frio, na escuridão de uma noite gelada pelo sentimento de abandono, chorei e o quarto encheu-se de água. Nadei entre um sem fim de ondas criadas por mim enquanto pensava em ti, nadei, esbracejei, afoguei-me e morri.
Acordei sentado numa cadeira velha de madeira quase podre e vi-te ali outra vez naquela mesma sala, mas que desta vez cheirava a diamantes rachados por almas afogadas em dor e pecado. Quis-te tocar mas fui interrompido pelas palavras doces que se faziam ouvir do tecto, diziam-me que era errado, mas eu disse-lhes que queria viver.
Toquei-te, finalmente toquei-te. Oh que coisa, oh que humildade, oh que paixão, oh estou apaixonado. Olhas-me com ternura mas com um misto de vaidade, queres-me amar, mas tens um pouco medo da incerteza. Serei eu? Serei eu aquele que tu queres, ou apenas mais uma ilusão, uma triste ou doce ilusão?
Agora já nada importa, beijei-te. Oh finalmente, finalmente beijei-te. Como uma explosão de emoção, alegria ou paixão - quem sabe? os Deuses estão a dormir - gritámos: Aconteceu. Ficámos apaixonados.

1 comentário:

*LaLa* disse...

Pretensioso, ou não, já tenho meu texto preferido. =]