sábado

Bicho

Não tenho escrito, não por falta de tempo apenas por falta de vontade, não é que não se tenha passado nada, simplesmente nada do que se passou desde a última vez que escrevi não tem sido relevante, minto.
Uma pessoa demasiado especial tem passado por momentos difíceis, demasiado difíceis para estar a passar sozinha por eles e tenho pena de não poder estar ao pé dela. Já falámos embora pouco mas o suficiente para saber que a operação correu bem, infelizmente o susto ainda não passou. Sinto com ela a mesma dor pela qual ela passa, estou longe mas tento manter-me perto, tento ajudar embora não estando presente, dou-me por contente se com o meu apoio a fizer chorar uma lágrima a menos.
O cancro é um bicho cruel que na maioria das vezes aparece sem aviso, entranha-se nas nossas vidas sem licença nem permissão apenas para trazer dor, angústia e no pior dos causas muita saudade.
Ninguém lhe diz "Ó bicho vem!", jamais, ele apenas traz sombras e palavras sem cor. Abraça-me hoje e amanhã, buscaremos os dois esperança em cada abraço, em cada suspiro falaremos sem voz para que amanhã tudo acabe, depressa e bem. Daqui a muitos e largos anos quando alguém falar sobre ele dir-se-á que foi Ele quem o levou e não o cancro que o matou.

1 comentário:

Joana Canas disse...

foda-se tribe, eu amo-te tanto. abraça-me durante um dia ou dois