segunda-feira

Geração Rebelde

Hoje, e como já vem sendo hábito de à uns anos para cá, assisto aos morangos com açúcar religiosamente durante pelo menos 2 minutos, tempo mais do que suficiente para atordoar quatro elefantes adultos no pico da virilidade na época do acasalamento com conas de 5 metros de diâmetro a babarem-se em terras africanas.

Ora durante esses mágicos e super-lúdicos 2 minutos aprendi que é possível dormir numa tenda de campismo e acordar no outro dia com o mesmo penteado, UAU! Mesmo que o penteado em causa seja uma crista enorme cheia de pormenores exemplares. Mas a fórmula é bastante simples (na teórica): basta dormires sem mexeres a cabeça.
Aprendi também que quando se é homem só se pode escrever poemas se adoptarmos um pseudónimo, e no caso desta super-estrela da televisão nacional portuguesa o pseudónimo adoptado para a personagem assinar os poemas foi: Anjo Negro.
Seria giro se Camões tivesse assinado as suas escritas com um pseudónimo, Ass: O zarolho sabichão. Claro, e por razões mais do que óbvias jamais se pode comparar os guiões dos morangos com a arte de Camões. No máximo podemos compará-los a um menu do MacDonalds, e porquê? Porque mentem. É impossível um hamburguer quase com 2 quilos ter tão poucas calorias. C'mon, sou gordo mas não sou estúpido.

Voltando aos pseudo-cromos da panini. Faz tempos vi uma das personagens, que interpreta um pseudo-rocker, o dito cujo chateou-se durante o pequeno almoço com a sua mãe porque esta não entendia a maneira como ele se vestia. Irritado por ver posta em causa a sua maneira de se vestir e consequentemente a sua personalidade, num acto de rebeldia louca e cheia de antagonismos responde à mãe com todas as letras: "Eu sou quem eu quero, e não me importa que tu, mãezinha me digas quem eu deva ser".
Ora note-se que os guionistas dos morangos são muito à frente, e puseram logo em prática o novo código ortográfico muito antes de ele ser ratificado (ainda não o foi e espero que nunca seja), e escreveram uma frase sem qualquer tipo de sentido ou conclusão prática.
Dito isto, ainda com a veia no pescoço grossa e vermelha pela massiva circulação de sangue em tão pouco tempo, em vez de beber um shot ou dois de tequilla e acender quatro cigarros ao mesmo tempo, o pseudo-rocker rebelde mete leite numa chávenazinha amarela e azul com cereais.

Onde é que eles vão buscar material para escrever os guiões? Vão a uma creche, dão plasticina aos putos e passado duas horas de análise dizem uns para os outros: Viram aquele puto que misturou a plasticina verde com a vermelha? É essa filosofia que queremos na próxima época dos morangos!
Os morangos não são de todo uma série educativa, são uma série retrógrada cheia de complexos e tabus com uma persistência enorme para fazer os jovens portugueses parecerem ainda mais estúpidos e ignorantes, o que se formos a ver bem, é uma façanha enorme. Ninguém fala como eles metem os putos a falar ou a discutir:

"Então és tu que fazes os poemas?"
"Sou, porquê?"
"Nada, mas eu ao menos não sou sonso como tu"

Sonso como tu? A sério? Já alguma vez ouviram alguém dizer a palavra sonso sem imediatamente dar um soco a si mesmo? É tudo tão estúpido, falso, irritante, hipócrita, cheio de insignificâncias ridículas, dá vontade de gritar para a televisão: NINGUÉM DIZ ISSO! NINGUÉM AGE DESSA MANEIRA! A TUA PERSONAGEM É IGUAL ÀS OUTRAS, SÓ MUDA O PENTEADO!

Outra coisa que nunca percebi neste tipo de séries juvenis, é quando se lembra de fazer com que uma personagem se chateie, a dita personagem vai para o seu quarto, fecha a porta com alguma força (não muita, senão parte o cenário tal não é a qualidade dos mesmos) e senta-se na cama ou de cabeça para baixo ou a olhar para a parede. Porque é que não metem o pessoal a fumar um charrinho? Ou a ver um filme porno? O que é que a parede tem assim de tão especial que quando alguém se chateia numa novela ou série fica a olhar para a parede?
E porque é que quando mostram uma personagem a enrolar uma ganza, parece que fazem um especial disso e quase que chega a ser anunciado com meses de antecedência? Não percam no dia 28 de Setembro (reparem que estamos em maio) O JORGE VAI FAZER UMA GANZA! WWWWWWOOOOOOOOOOOOOOOOOOWWWWW!
E lá ficam eles durante 20 minutos a mostrarem a personagem a queimar o haxixe colado ao filtro de um cigarro com saliva, misturar com o tabaco na palma da mão direita, meter a mortalha em cima da sopa, meter uma mão em cima da outra, rodar as mãos no sentido dos ponteiros do relógio (ou ao invés), meter o filtro na ponta da mortalha enrolar e acender?
Atenção, só demorou 20 minutos porque eles não mostraram o processo de fabrico de um filtro a partir de um bocado de cartão em S, caso contrário tinham-nos roubado 50 minutos das nossas vidas.
E depois para cumulo dos cúmulos, assim que a personagem dá um bafo na ganza sem travar quase que automaticamente da-lhe uma trip de LSD e fica 10 episódios stone, WHAT THE FUCK?
O mais estranho é que eles quando toca ao consumo de álcool ainda conseguem ser mais extraordinariamente absurdos, tanto que para falar sobre o efeito do álcool nos morangos com açucar é caso para nos precavermos contra danos cerebrais devido à estupidez da coisa.
E quando juntam as duas? Eish.. Se mostrassem um episódio dos morangos ao Bush ele dizia: "And they say that I'm stupid. MOM! Where's my XBOX360? I want to catch that Laden guy..".

Acho espantoso como é que ainda ninguém se apercebeu que os morangos não são nada mais do que um anuncio comercial com quase 2 horas. D'zrt, os outros que agora não me lembro do nome e agora esta banda de raparigas. Os D'zrt são tão comerciais que lançaram uma edição especial do último concerto: É pessoal, nós vamos acabar a banda, até porque só fizemos dois cd's de originais e todas as letras foram escritas por um grupo de pessoas que não nós, visto que a maioria de nós só sabe assinar o nosso próprio nome e mesmo assim tivemos que ter aulas para o fazer, quanto mais criar músicas, por isso comprem já a edição especial do nosso ultimo concerto para que nós consigamos sacar-vos mais dinheiro antes de acabarmos.

Para além disso, as personagens têm tanto de rebelde como o OJ tem de inocente (coitado do homem, mas a verdade é que esta piada ainda não perdeu a validade). Um rebelde não se vende (lembram-se do Bruce Willis no Die Hard 3, estava a conduzir um camião carregado com 6 biliões em barras de ouro? NÃO SE VENDEU!), os actores desta "Geração Rebelde" vendem-se por menos de 500 euros mensais. Acima de tudo é triste.

PS: Este blog condena o uso de drogas. Fumem erva, cresce da terra como as alfaces.

1 comentário:

Joana Canas disse...

por acaso, das poucas vezes q já tentei ver os morangos, tb me apeteceu gritar p o ecran. os dialogos sao extremamente estúpidos e nada, nada rebeldes :o