sábado

Individualidade Estranha


Sou um adolescente normal com aversão ao vedetismo. Correndo o risco de me repetir, vou repetir o que já aqui disse: odeio esteriótipos. Odeio acima de tudo cinismo e falsidade. Raramente guardo remorsos porque penso que acima de tudo, guardar o passado atrapalha o futuro. À algum tempo que não escrevia e sinceramente já sentia falta, não vejo a escrita como um vicío (por amor de deus não) , vejo a escrita como uma maneira de deitar fora o que guardei durante algum tempo. Ao longo do "blackout" de escrita pelo qual passei, senti várias vezes necessidade de escrever, mas como não estava inspirado nem estava com imaginação decidi não arriscar. Gosto de sentir o que escrevo, odeio escrever apenas por escrever, quando escrevo gosto de sentir que as letras me compreendem. Algo se passou, novamente mais uma vez, desta vez falámos, e supostamente tudo ficou bem. Mas, por culpa minha ou não (ainda estou a tentar perceber, porque muito sinceramente desta vez penso que não tive culpa) acabou tudo como começou. Odeio dar o braço a torcer, só gosto de 'dar a taça' quando vejo que não tenho razão. Gosto de argumentos objectivos, e quando não os tenho, correndo o risco de parecer relativo, assumo o erro, mas tambem espero que as outras pessoas façam o mesmo comigo. Sou benevolente em muitos aspectos, não levo a mal muitas coisas que me têm feito, porque penso que tudo deriva de imaturidade, e creio que mais cedo ou mais tarde um pedido de desculpas pode vir a surgir, excepto quando vejo que as acções praticadas tiveram sentimentos corrosivos e explícito por detrás dos mesmo, ai sim, fico fodido. Sinto-me descalibrado em relação às outras pessoas, sinto-me uma individualidade estranha que toma acções sem nexo. A pior parte é que por vezes não consigo encontrar razões para fundamentar as minhas acções. Adoro saber que ajudei alguem, adoro saber que faço parte da vida de alguem, adoro quando consigo transformar lágrimas num sorriso, adoro poder ser amigo, mas como anteriormente disse, sou muito impulsivo, e por vezes torno-me insuportável de aturar, o problema reside no facto de quando eu preciso, parece que todos saltaram do barco. Odeio quando me critícam sem me conhecerem, julgo que isso demonstra uma grande falta de personalidade. A fútilidade de certas pessoas bem como a ignorância (ignorante não é aquele que não sabe, é aquele que não quer aprender) irrita-me! Parece que as pessoas preferem ser estúpidas e incultas, o que as torna inúteis para a sociedade em que vivemos (ou será que não?) . A sociedade imposta hoje em dia é cruel, tão cruel que precisamos de mais de 15 anos de estudos para nos conseguirmos 'adaptar' ! É realmente irritante quando somos menosprezados por falta de estudos, a capacidade lógica da pessoa, de desenvolver crítica, analogias, ideologias, crónicas, tem a ver com os estudos, mas, a partir do momento em que necessitamos de um certo nível de ensino para conseguir 'emprego', o objectivo será esse, concluir os estudos de modo a conseguir levar uma vida 'decente' de acordo com os estudos que possuímos. Vejo o tempo a passar, mas não vejo nada a mudar.

É assim que penso, é assim que sou. Mal ou bem cá estou, mal ou bem, assim me sinto, mal ou bem, assim sou.


(desenho: http://andreflaviorocha.blogspot.com/)