sexta-feira

Amizades..


Desabafo ou não.. eis a questão!

Não sei por onde começar.. mas acho que isto vai ser mais um desabafo..
Daqueles que sei por onde começar, mas não sei porque haverei de o começar, é porém um episódio que se tem vindo a desenrolar, que eu tenho reparado, mas que não tenho feito nada porque pensei que voltasse á normalidade.
Não será dificil nós vermos que estamos a ser empurrados para trás por um grupo de pessoas que nos marcou, a palavra será mais "enxovalhado"
Imaginem um grupo de poucas pessoas - digamos 7 - e que durante quase dois anos, estavam sempre juntos, a rir juntos, a celebrar seja o que fôr juntos, a comer juntos, a passar tardes inteiras a falar, tudo isto juntos, cria-se um laço especial entre todos não? Talvez até se criem paixões, mas com o começo da escola começam a separar-se, e com isto começam a ganhar novas amizades, novas pessoas com quem falar, com quem rir junto, com quem partilhar opiniões, e á medida que o tempo vai passando a maioria da pessoas desse pequeno grupo vão-se esquecendo das outras pessoas que faziam parte do antigo grupo.. mas porquê pensar nelas, têm novas amizades, novas pessoas com quem passar serões, novas caras para olhar durante a tarde, e quando têm um novo grupo.. vêm as férias, ou seja o verão ou seja a praia, ou seja depois acabam as férias, depois vêm as aulas e depois forma-se outro grupo, e assim por diante até que.. se acabam mesmo por esqueçer das pessoas do primeiro grupo, mas isto tudo sem se darem conta de que provavelmente alguem tem saudades daquelas tardes, daqueles risos, daquelas parvoiçes, mas elas tão-se simplesmente a cagar, e porquê? Porque têm um novo grupo de amigos..

É frustrante ser enxovalhado, ser posto de parte, mas mesmo assim fechar os olhos com a certeza de que se vão passar mais tardes como aquelas.. até que o peso da realidade nos cai sobre os ombros e aperçebemo-nos de que não será mais assim porque por mais impressionante que seja "passámos de moda", sim! Isso mesmo "passámos de moda", deixámos de pertencer ao novo grupo de amigos dessas pessoas.
O que mais custa a aceitar é que a maioria das pessoas do primeiro grupo (digamos 5) continuam juntas, mas com um novo grupo de amigos, esqueçendo-se completamente das outras 2 pessoas que ainda pensam em ouvir aquele riso ensonado depois de uma noite bem passada..

Chega a ser nojento a forma como somos postos de parte, a forma como se esqueçem de nós, a forma como a mais pequena coisa, por mais fútil que seja nos afecta porque talvez na altura não tenhamos reparado mas agora é importante para nós!
É mais nojento ainda quando passam por nós na rua e a única coisa que nos dizem é "oi!"

OI?.. OI?.. É isso que me tens para dizer? OI?
Depois de tantas noites passadas entre nós, depois de tantas situações mais complicadas que passaram por nós, depois de tantos risos, e abraços, e beijos fingidos, frases de conforto, olhares de alivio, lágrimas de crocodilo enxugadas ao meu ombro, é isso que me tens para dizer? OI?
Será que não te aperçebes do quanto sinto a vossa falta? De que tudo o que fazem, ou pensam que não fazem, ou dizem, ou pensam que não dizem, afecta o meu dia-a-dia?
Por mais estúpido que possa pareçer, afecta, e sinto falta da vossa amizade, e a cada dia que passa morro mais um pouco, por me aperçeber que fui posto de parte..
Vocês não se aperçebem porque vivem as vossas vidinhas fúteis e ignorantes sem pensar o quanto as vossas atitudes, actos, falas, olhares podem afectar os vossos verdadeiros amigos, e não os amigos de verão, ou amigos mensais..

Os poucos amigos que tinha enxovalharam-me, puseram-me de parte porque encontraram risos novos.. não acho mal em encontrarem novas amizades, em procurarem novos tipos de relacionamentos com novas pessoas.. só acho mal esqueçerem-se dos amigos..

Amigos amigos.. tenho alguns, não posso dizer que tenha muitos, existem várias pessoas pelas quais eu me preocupo, porque sei que se preocupam comigo, mas é sempre triste ser posto de parte..
Se há coisa que eu mais me orgulho é das amizades que consegui manter até hoje, sem nunca esqueçer as velhas, que na minha opinião pessoal nunca serão velhas nem renováveis, serão o que sempre foram e serão: amigos!

segunda-feira

Solitude.


Solidão.. existes.. E para quê?

Não se perçebem bem o que quero dizer com este título mas cada vez mais me aperçebo de algo que está a aconteçer ainda que não tenhamos reparado..
As pessoas de média idade (entre os 30-40) deparam-se muitas vezes com uma coisa que nunca pensaram vir a ter "sentirem-se sozinhos" !
Reparei nisto quando que á pouco tempo uma pessoa da minha familia com 40 e poucos anos, teve uma depressão porque não tinha amigas, nem ninguem com quem sair, falar, desabafar, não tinha sequer ninguem que lhe disse "santinha" quando desse um espirro.

É estúpido, mas é verdade, muitas pessoas sentem-se sozinhas, sem ninguem, querem desabafar, contar como foi o seu dia no trabalho, mas chegam a casa e em vez de sentirem o calor do lar, sentem o frio da solidão. Nós agora não nos aperçebemos muito da solidão, porque a maioria de nós tem a escola, os amigos, as amigas, que (pensamos) que podemos sempre contar para ir beber um café, para falar sobre um episódio de um programa qualquer, para criticar um filme que tenhamos visto, para simplesmente riscarmos as mesas do café.

Mas agora pergunto: "Nunca se sentiram sozinhos?"

Eu já.. muitas vezes até. Sinceramente até já lhes perdi a conta, não é algo de que me orgulhe contar, ou desabafar, mas acho que é algo que uma vez ou outra na vida deve ser dito, mas que mais do que uma vez na vida, é pensado..

Solidão porem, pode não ser apenas o que descrevi ali, pode também ser apenas um minuto ou dois no nosso dia-a-dia, durante um almoço entre colegas, em que nós damos a nossa opinião sobre o tema e ninguem a comenta, ou sequer finge que a ouve, ai também nos podemos sentir sozinhos.
A nossa opinião mesmo que não conte muito para os outros conta sempre muito para os nós, e se fôr 'rejeitada' ou nos deixa furiosos, ou melancolicos, ou frustrados.. um turbilhão de sentimentos podem passar por nós ao sermos 'rejeitados'..

Agora voltando ao tema inicial, as pessoas que têm problemas de solidão, e se sentem sós, é por vezes dificil para elas conseguir arranjar amigos ou amigas com quem passar a tarde, o serão, para além das pessoas do trabalho, se calhar porque se tornam introvertidas e têm medo ou falta de coragem para tentar iniciar uma nova relação (o que penso que seja sempre dificil para pessoas daquela idade - exepto para os homens que qualquer cerveja paga, é o inicio de uma boa amizade) com uma pessoa totalmente desconhecida (coisa que não acontecia na escola que qualquer pretexto dava lugar a uma amizade - em alguns casos claro).

Dai que cito novamente o que disse no meu primeiro post:
"o ser humano pode tolerar uma semana de sede, duas semanas de fome, muitos anos sem tecto - mas não pode tolerar a solidão"

Agora eu penso que todas as amizades que consigamos arranjar durante a nossa "vida mais jovem" (desde a infância, até aos 20-30) deverão ser conservadas, para que nunca sintamos ou passemos por algo que milhares de pessoas sentem actualmente.. solidão!

sexta-feira

Post nº 10!

Weeeeeee!! Tava a ver que nunca mais chegava ao post nº10! LOL

E para comemorar vou deixar uma imagem da minha banda desenhada preferida: Calvin and Hobbes!



Ah e claro, uma declaraçãozita: Adoro-te amantezinha..

Pitas, pitas, pitas..


OK! Tou farto, estão em todo o lado!

Olho para a esquerda, e tão lá uma cambada delas, direita a mesma coisa, tou a começar a ficar assustado..

E para isso não mais do que citar um texto que define precisamente o que eu penso sobre o que se passa actualmente em relação ás pitas!

Quero apenas, vir por este meio apontar o pontiagudo indicador (sim,era feio se fosse o dedo médio) às nossas windax fofuxahs meninas de hoje em dia, que são o expoente máximo do consumismo. Ele é 5pares de cada modelo de t-shirt, tops, kai-kais, blusas de meia manga, de manga comprida, sweats, sweats com capucho, casacos, blusões, coletes, mais 3 pares de calças de cada cor possível e imaginável, passando por 30pulseiras, 12 pares de brincos, 20ganchos, 5pares de óculos de sol de 100€ cada, fios, colares, pendentes (os mais interessantes são mesmo as cruzes.. dão origem a algumas das maiores blasfémias que já presenciei), biquinis, fatos de banho (sempre reduzidos), e já me ia esquecendo das 7 diferentes malas e do seu conteúdo (rimel, gloss, lipstick, creme praa cara, paro corpo, verniz, perfume) e, como não podia deixar de ser..10 pares de sapatos, 4 de sandálias, 3 de chinelos....e o mas importante ainda é que todos estes bens são renovados no período de uma semana a um ano.. Pois é, é este modus vivendi das nossas "queridas" que leva a que os donos das grandes empresas tenham uma mentalidade cada vez mais tacanha e movida por interesses estritamente monetários, que leva á desumanização do trabalho e de toda a vida, ao fazer as pessoas comprarem e comprarem coisas que lhes fazem pensar que precisam, e que elas próprias impingem umas às outras..

A título de exemplo:

1- Quando a Avril Lavigne apareceu num videoclip com uma gravata, passado duas semanas a venda de gravatas mais do que duplicou nas lojas femininas da cidade de Lisboa.
2- Mais recentemente, quando a SIC estreou a novela América (Deborah Secco, Samara Felippo, Juliana Paes, Thiago Lacerda, etc.), apelo-lhes a que façam um breve raciocínio mental e pensem quantas jovens mulheres e raparigas não viram já a la cowgirl?! quer ao vivo quer em fotos (e o hi5 demonstra bem isso) ostentando o típico chapéu, cintos com uma fivela que parecem três, calça de ganga e bota caneleira, e por vezes até os míticos safões!
3- Nem vou falar muito, por que na verdade, nem preciso.. então e os Morangos? É tudo a venerar o Simãozinho e a Ana Luisa..perfeito..cof.. Ah pois é.. É por estas e por outras que a "mulher moderna" me desilude.. Mais ainda, dado que cada moda dura no máximo três meses e depois vem logo outra moda consumista fazer com que a dita renove todo o guarda-vestidos (??) ou mesmo a decoração do quarto, e enquanto outros andam com umas sandálias de plástico por que provavelmente nem dinheiro tem para comprar o pão, estas gastam o dinheiro que têm e que não têm (mais o que conseguem extorquir a um velhote menos atento) em fúteis bens materiais de perenidade certa, e depois dizem que a culpa da pobreza mundial é dos EUA. Nem 8 nem 80..Comecem por olhar para vocês próprias.


Ok pessoal é assim, este texto apesar de não ser meu exprime completamente a minha opinião em relação ás pitas, por isso devo agradeçer ao Satyr, um dos bacanos que têm um dos melhores blogs que já tive o prazer de ler.

Aqui está o link: http://conciliodosdeuses.blogspot.com/

E deixo-vos aqui outro site muito interessante em relação ás pitas: http://www.bclonline.org/pitas.html

PS: Eu não tenho nada contra as pitas, de modo algum, mas o que está ai escrito, não deixa de ser verdade.

quinta-feira

O Inicio de um namoro?

Quiçá.. mas em principio vai ser aqui que me vou declarar á minha amante, e vamos iniciar uma das mais belas histórias de amor bocagianas!



ou não..

Opiniões pessoais?


Falar sobre isto? E para quê?

Apeteçia-me escrever mas não sabia sobre o quê.. começei a pensar: "Se calhar até fale sobre opiniões pessoais.." Mas todos nós sabemos o que é isso.. é a nossa opinião, independentemente dos gostos das outras pessoas, a nossa opinião caracteriza-nos, em relação seja ao que fôr, se fôr nossa, demonstra a maneira como pensamos em relação a tal assunto, a tal pessoa, a tal situação que nos ocorra seja em que momento fôr, teremos sempre uma opinião pessoal relacionada com essa ocasião, essa hora, esse minuto, esse segundo.. Mas é claro que a nossa opinião pessoal reflecte-se consoante o nosso estado de espirito, se tivermos mal humorados vamos ter uma opinião um pouco diferente do que se tivessemos acabado de receber o ordenado ou de ter recebido uma boa noticia..
Agora.. nós não poderiamos dar as nossas opiniões sem a grande e única "liberdade de expressão", que até à uns anos, não a tinhamos, mas isso fica para outro dia.

Um dia destes vou abranger este assunto d
e forma mais intensiva, por enquanto vou buscar as almofadas ao roupeiro porque tou mesmo a morrer de sono

Amor.. amor..



Magoas-me.. E para quê?

Sem razão aparente ou talvez não, cada vez mais penso que ou tenho azar, ou então tenho mesmo azar..
Ora posso sempre começar a escrever.. mas depois para parar vai ser um caso dificil, mas tenho a certeza de que vais conseguir acompanhar.. (eu nunca disse isto a ninguem para além de pessoas mesmo muito chegadas, por isso nem sei porque raio estou a escrever isto.. mas cá vai..)
Em 2003 conheçi uma rapariga pela qual fiquei completamente apaixonado.. mas ao principio não o perçebi, até arranjar uma namorada.. e foi ai que me aperçebi que estava completamente apaixonado pela outra rapariga, mas pensei que se continuasse com esta namorada, aos poucos e poucos a fosse esqueçendo.. coisa que não aconteçeu, mas mesmo assim eu não queria encarar a realidade.. mais tarde acabei o namoro com esta namo
rada, porque subconscientemente eu não a amava.. amava sim a outra rapariga..

Vá recuperem o sufoco, fumem um cigarrinho eu já conto o resto.. preparados? Aqui vou eu..

Passado um pouco conheçi uma rapariga na net (mais propriamente no irc) pedi-lhe o email (etc etc), depois fomos jantar, e começámos a namorar (nesse mesmo dia, sem nunca nos termos vistos previamente, o que foi - penso - muito prematuro e infantil), namorámos cerca de dois meses e qualquer coisa, até ela me ter posto uma carrada de lenha em cima da cabeça, mas, muito sinceramente eu não me importei com o facto, e vi ali uma oportunidade única de acabar uma relação que eu já queria acabar á algum tempo mas que não sabia como o fazer sem a magoar.. isto tudo porque ainda estava apaixonado pela outra rapariga..
Não posso dizer que não tenhamos passados bons momentos juntos, porque passámos, mas eu não me sentia
bem naquela relação e sentia que me estava a enganar a mim mesmo..

Agora vamos falar sobre aquela tal rapariga que eu estive perdidamente apaixonado durante dois anos.. eu sempre a achei linda, fenomenal, única, doce.. uma pequena alma que eu não me importava de cuidar até ver o meu útltimo nascer do sol..
Sempre que estava ao pé dela, pareçia que ficava completamente prisioneiro do que sentia por ela.. por vezes tudo o que dizia saia exactamente o contrário do que eu queria dizer inicialmente, ela intimidava-me, não conseguia ter uma conversa com ela, porque aquele pedaço de carne fatal impedia-me de me expremir, pois tudo o que fazia era admirá-la, observá-la, e acima de tudo nunca lhe o consegui dizer, algo que sempre me arrependi..
Contudo, ela nunca me viu como eu a via.. nem pouco mais ou menos.. se calhar ela não o fazia por mal mas.. ela sempre me tratou como uma pessoa normal (não é que queira ser especial, mas acho que mereçia no mínimo um pouco mais de atenção..), nunca honrou os meus sentimentos, nunca se preocupou se o que fazia ou dizia
me afectava ou não.. ela teve-se simplesmente a cagar para o que eu sentia por ela, como a via, como lhe queria dizer o quanto gostava dela ou simplesmente que eu admirava cada palavra de saia da boca dela.. pode-se dizer que o que tive por ela foi uma obsessão secreta..
Se calhar ela nunca perçebeu que a mais infima coisa que fazia me afectava, mas eu aperçebi-me.. demasiado tarde quando já tinha sofrido demasiado, por ela, e por algo mais.. por amor.. e por alguem que eu acreditava que um dia se iria aperçeber de tudo o que fiz por ela, de tudo o sentia por ela.. mas pareçe que.. enganei-me a respeito de uma das pessoas que mais amei até hoje..

Se calhar sempre me tratou como um dos seus melhores amigos, se calhar até gostou de mim á sua maneira.. mas o que escrevi em cima não deixa de ser a minha visão do que se passou, e de certeza que é completamente diferente da dela..

E prontos.. aqui está um desabafo que nunca esperei fazer online.. mas.. há sempre uma primeira vez para tudo

quarta-feira

Significado do blog?



CONPLAINTS, E para quê?

Beeeeeem.... a maioria deve pensar que o nome do mesmo é um erro, mas não.
O nome deriva de "complaint" que traduzido para Português significa "queixa" ou "reclamação", mas agora porquê "CONplaint" ?

Bem a palavra "CON" vem de "conexão" mais "plaint" dá "CONplaint" ou seja uma conexão de queixas ou reclamações (é o que dá misturar o Português e o Inglês)

E para quê? este nome perguntam vocês: bem.. porque aqui no blog quero queixar-me e reclamar sobre tudo e mais alguma coisa, desde a minha vida pessoal, ao estado do país, ao estado das cotações das bolsas mundiais, ao preço do petróleo, até me quero queixar do barulho irritante do gato da minha vizinha, ou melhor ainda quero mesmo é reclamar o preço do tabaco! É um absurdo, até o suicidio sai caro..

Love hurts!



Eu adoro esta imagem (até está como wallpaper) e porquê perguntam vocês?


Porque estou farto de levar facadas no amor !

Kurt Cobain


Suicidaste-te, E para quê?

Kurt Cobain foi um génio. Assim como John Lennon no passado com os Beatles, Kurt e os Nirvana mudaram a música para sempre.
Kurt Donald Cobain nasceu a 20 de Fevereiro de 1967 no Hospital Comunitário de Grays Harbor, em Aberdeen. Ele não considerava que o seu nascimento fosse feliz, embora nos tenha encantado com a sua música e genialidade. Filho de Donald e Wendy Cobain, Kurt foi filho único até aos 3 anos, quando a sua irmã Kimberly nasceu.
A sua infância foi como toda a gente desejaria – feliz pelo menos até aos nove anos de idade, como ele mesmo referia numa entrevista à revista Spin, em 1992. A vida do casal Cobain com os dois filhos para sustentar tornou-se difícil e as discussões começaram a ser frequentes. Tão frequentes que uma semana após o seu nono aniversário, Wendy informou Don da decisão do divórcio. Foi um golpe duro para os homens da família Cobain. Tanto Don como Kurt encararam mal o facto. Foi nesta altura que começaram os problemas de estômago do Kurt, problemas que o levaram a meter-se nos opiáceos, as únicas drogas que aliviavam a sua dor. Aos 13 anos Kurt começou a sua relação com as drogas; experimentou haxixe e LSD. Começou por uma pequena coisa que logo cresceu. Passado algum tempo era já habitual vê-lo a fumar em algum sítio escondido.
No aniversário dos seus 15 anos, em Fevereiro de 1982, o seu tio Chuck ofereceu-lhe uma guitarra. Foi este talvez o ponto de viragem na vida de Kurt. Em Março desse mesmo ano Kurt, por sua própria vontade, iniciou uma vida nómada. Durante os quatro anos seguintes ele mudaria de casa dez vezes. De todas estas casas, a mais significativa na vida de Kurt foi a casa do seu tio Chuck. Foi lá que ele começou a ter as primeiras aulas de guitarra com Warren Mason. Embora Kurt dissesse que tinha tido apenas cerca de três aulas de guitarra, Warren conta que estas duraram meses e que Kurt era um aluno muito esforçado. O primeiro grande problema porém, surgiu com a guitarra de Kurt. Era imprópria para a actividade (era uma peça chinesa) e Warren conseguiu uma Ibanez por cerca de 130 dólares americanos.
Outro dos acontecimentos que mudaria a vida do Kurt apareceu com um simples folheto num supermercado: no parque de estacionamento do estabelecimento ele descobriu o Punk Rock. Viu uma actuação dos Melvins e pensou que aquela era a música que gostava, aquela para a qual estaria predestinado a fazer toda a sua vida.
Em 1984, Kurt foi viver para casa dos pais de um dos seus amigos, Jesse Reed. Em Outubro desse mesmo ano, Kurt foi baptizado como cristão e apenas três meses depois Kurt adoptava um estilo anti-deus. Pouco depois abandonou a casa dos Reed e alugou um apartamento com Jesse. Durante esse tempo Kurt teve alguns problemas com a polícia por ser apanhado a pintar grafitis em paredes. Um dos que o levou à esquadra para interrogatório dizia “Ain’t got no watchamacallit” que significa qualquer coisa como “Não consegui nenhum jeito de coisar”. Em Dezembro de 1985, Kurt, Dale Crover e Greg Hokanson formaram a banda Fecal Matter, a primeira banda de Kurt. Foram até casa da tia de Kurt, Mari, e gravaram uma cassete, cassete da qual depois Kurt faria várias cópias e entregaria para várias pessoas, entre as quais estava Krist Novoselic.
Um dos momentos mais brilhantes da vida de Kurt foi quando Krist Novoselic, namorado de Shelli Dilly, uma amiga do colégio de Kurt, se mostrou interessado em formar uma banda com ele. Foi também nessa altura que Wendy emprestou ao seu filho dinheiro para ele alugar uma casa. A casa que este alugou estava em muito mau estado. Tão mau que os seus amigos a apelidavam de “barraco”.
A altura do “barraco” foi uma das alturas em que o Kurt andou mais à deriva. Sempre que podia andava drogado. Se não fosse com ácidos, haxixe e álcool, era com aerosol que ele inalava das latas de laca e coisas parecidas.
A vida de Kurt decorreu assim durante todo o ano de 1986, constituindo com Krist várias bandas, mas nenhuma dando certo.
No início de 1987, Kurt começou um relacionamento com Tracy Marander, uma rapariga “conveniente” para Kurt, pois dava-lhe todo o afecto que ele não tinha desde o divórcio dos seus pais.
Ele, Krist e vários outros amigos que ocupavam o lugar de baterista fizeram alguns concertos em locais públicos, apresentando-se com nomes como “Stiff Woodies” ou “Ed, Ted, Fred”. O vício de Kurt nas drogas foi diminuindo um pouco por esta altura. O relacionamento com Tracy não permitia tais devaneios.
Com Dave Foster na bateria, Kurt iria nomear a banda como “Nirvana”, o ultimo nome da banda. Nesta altura começaram a pensar em lançar um single, e mais tarde um disco.
A banda lançou o seu primeiro single a partir de um selo de gravação (uma companhia editorial) pouco conhecido na altura, a Sub Pop Records, que tinha em seu poder bandas como os Soundgarden. O single lançado foi uma cover da música “Love Buzz”, dos Shocking Blue. Seria através do trabalho da Sub Pop que a banda seria seriamente lançada no mundo da música.
Foram-se preparando também para lançar o seu primeiro disco, primeiramente chamado “Too Many Humans”, titulo que depois deu o lugar para “Bleach”, lançado em 1988.
Nessa altura Kurt “despediu” Foster e contratou Chad Channing para o lugar de baterista da banda.
O génio de Kurt também foi aumentando. Uma das suas canções muito aclamadas, “About a Girl”, foi composta nesta altura, para a então sua namorada Tracy, porque esta se queixava que ele escrevia sobre tudo excepto ela.
A banda foi crescendo, e a determinada altura, em 1990, Kurt achou que Channing já não trazia nada de novo à banda. Mais uma vez andavam à procura de um baterista.

Foi então que entrou em contacto com eles Dave Grohl, último baterista a ocupar este posto na banda. Ao início foi rejeitado pois já existia alguém para ocupar o lugar, tendo poucas horas mais tarde sido chamado por Krist, que não queria terminar a carreira dos Mudhoney arrancando o seu baterista.
Na mesma semana em que Kurt despediu Chad, também acabou com Tracy. O relacionamento começava a piorar desde que os Nirvana começaram a sair em tour pelos mais variados lugares, e era impossível estar muito tempo juntos. Nessa altura Kurt tentou a sua sorte com Tobi Vail, que viria a ser a musa inspiradora de Smells Like Teen Spirit, a música que garantiu aos Nirvana as luzes da ribalta.
Tobi e a sua amiga Kathleen Hanna tinham um sonho de formar uma banda, á qual queriam chamar Bikini Kill. Tinha também o seu próprio fanzine e é com ela que nasce a expressão riot grrrl, usada para descrever o feminismo punk dos anos 90. Foi a amiga de Tobi, Kathleen Hanna, que, inadvertidamente, deu o nome Smells Like Teen Spirit à música: um dia, Kathleen Hanna escreveu a spray verde na parede do quarto “Kurt Smells Like Teen Spirit”. Isto inspirou Kurt, mais tarde, a escrever uma canção em relação a Tobi.
Quanto à sua vida amorosa, o seu último, e talvez o maior de todos os amores de Kurt apareceu-lhe a 12 de Janeiro de 1990, num bar em Portland. Foi nesse dia que Kurt e Courtney Love se encontraram frente a frente pela primeira vez. Ouve uma espécie de química entre os dois. Courtney provocou Kurt, que respondeu numa espécie de luta de brincar. Trocaram telefonemas por muito tempo mas as coisas pararam durante algum tempo, pois Kurt conheceu Mary Lou Lord, uma outra rapariga que percebia muito de musica punk, coisa que satisfazia o ego de Kurt. Em Novembro de 1990 um novo “amor” aparece na vida de Kurt: a heroína. A banda, que procurava uma editora maior, por se sentir lesada pela Sub Pop Records, assinou um contracto com a editora David Geffen Company, parte integrante da Geffen Company, a qual servia para os “testes” da editora principal; se a banda fosse boa, automaticamente era passada para a editora principal. E foi aqui que os Nirvana surpreenderam tudo e todos. Os números esperados para a banda foram superados.
13 de Setembro de 1991 é um dia que fica para a história. O dia de antestreia do álbum Nevermind (o dia oficial do lançamento do disco foi a 24 de Setembro). A fama da banda cresceu como nunca se tinha visto. A cada concerto os seguidores da banda eram em maior número. A 12 de Outubro Kurt e Courtney reencontraram-se. Foi aqui que o seu relacionamento começou realmente. Os Nirvana estavam numa tour e Courtney teria nesse dia uma decepção amorosa com o então seu namorado Billy Corgan. Encontrar-se-iam num bar de Chicago onde os Nirvana actuariam nessa noite.
Foi também nesta altura que o seu vício em heroína se tornou diário. Ele tomava todos os dias, visto que era a única maneira, como ele referia em várias entrevistas, de acalmar as dores de estômago que se estavam a intensificar.
A 11 de Janeiro de 1992, os Nirvana tornaram-se na banda mais popular à face da terra, depois de uma actuação no Saturday Night Live, um programa americano de grande audiência e importância no mundo da música.
Na madrugada de 12 de Janeiro dar-se-ia aquilo que uns chamam de primeira tentativa de homicídio, outros de primeira tentativa de suicídio, dentro de um quarto de hotel. Kurt tinha-se tornado o homem mais famoso à face do planeta.
O seu relacionamento com Courtney era cada vez mais forte. Namoraram durante alguns meses até que ficaram noivos, numa suite de hotel. Casaram-se no Havai, a 24 de Fevereiro de 1992, 4 dias depois do 25 aniversário de Kurt.
18 de Agosto de 1992 foi talvez o dia mais feliz da vida de Kurt. Foi nesse dia, ás sete horas e 48 minutos que nasceu a sua filha, Frances Bean Cobain. Era a menina linda dos olhos de Kurt.
Após o nascimento de Frances surgiram várias etapas difíceis na vida de Kurt. Desde o artigo na revista Vanity Fair, a vida do casal Cobain tornou-se um inferno. Kurt passou por uma série de desintoxicações, para não perder a custódia de sua filha.
No início de 1994, em Roma, Kurt teve outra overdose. Mais uma vez ninguém sabe explicar se foi uma tentativa de suicídio ou de homicídio, embora Courtney diga que tem na sua posse uma carta escrita por Kurt a despedir-se.
E tudo isto acaba tragicamente a 5 de Abril de 1994, quando finalmente foi levado a cabo o "suicídio" (embora hajam provas suficientes para garantir que foi homicídio) de Kurt Donald Cobain.
Se foi assassinado ou se cometeu suicídio, nunca saberemos.

Estereotipos


Estereotipos! E para quê?

Quero falar sobre um tema que se calhar muitos ainda não se aperçeberam, ou nem sequer fazem a mínima ideia do que estou a falar, vou falar sobre o estereótipo social que temos hoje em dia. Hoje em dia existe um conceito pré-concebido de como devemos ser, é-nos mostrado pelas revistas, pela televisão, e se não seguirmos o que nos pedem somos automáticamente postos de parte. Isso é provávelmente uma das razões pela qual muitos jovens hoje em dia têm depressões, porque lhes é exigido muito, não em relação aos estudos mas sim em relação ao aspecto físico, e físico apenas. Muitas vezes nos dizem que o aspecto físico não é a única coisa que interessa, mas subconscientemente se uma pessoa não se encaixar no estereótipo exigido, é posta de parte, e esse tipo de exclusão social por parte dos amigos e das restantes pessoas faz com que uma pessoa "não-estereótipada" se sinta posta de parte, o que poderá posteriormente tornar-se numa depressão. Essa pessoa começa a pensar "serei assim tão feio\a?" - "porque me põem de parte?" ! Enquanto isso ao invés de se tentar integrar vai tendo pensamentos como: "eles que mudem!" ou "de que vale a pena mudar, se nunca irei ser igual a X ou a C?" Logo essa pessoa refugia-se no seu pequeno mundo, pensado cada vez mais no mesmo assunto, até que apareçem as primeiras lágrimas, mas quanto mais pensa mais tenta não pensar (em vão) porque cada vez vai pensado mais no mesmo, e cada vez mais se vai refugiando em casa, longe dos "amigos", da familia, e de si mesmo. Depois é sempre dificil explicar isto a um "adulto" porque ele não nos vai compreender e vai dizer o que nós queremos ouvir e não aquilo que deviamos ouvir. É sempre dificil sairmos da exclusão social que nos foi posta, com alguns comentários, e que nós a fomos agravando como que uma bola de neve, até que pensamos "Porquê? Porque tenho que ser como querem que seja e não posso ser como eu quero que seja? Porque tenho que seguir o que me pedem, e não posso seguir o que quero?" Se conseguirmos seguir estes pensamentos e tornarmo-nos independentes das opiniões dos outros, e seguirmos simplesmente a nossa própria personalidade e a nossa maneira de ser, há de ser mais fácil para os outros aceitarem-nos como somos, e não como eles esperam que sejamos, porque apesar de tudo, todos temos os nosso pequenos problemas com o nosso corpo e com a nossa maneira de ser e como queremos que as outras pessoas nos vejam, e antes de conhecermos alguém os pensamentos que temos sobre a primeira impressão que a outra pessoa pessoa teve sobre nós ("será que correu bem?" - "será que ele\a gostou e mim"?) , são idênticos á da outra pessoa. Por isso é escusado começarem a fumar para se integrarem em algum grupo de amigos, porque se eles fossem mesmo nossos amigos, iriam dizer para não fumarmos! É escusado vestirmo-nos de certa forma para impressionarmos seja quem fôr, porque o melhor da vida fazêmos sem roupa! Por isso é escusado tornares-te em algo que não és, para poderes te integrar seja onde fôr, a tua personalidade, tal como tu são duas coisas únicas, e isso é sufeciente para seres aceite em qualquer parte do planeta!

O inicio de um blog!



E para quê? .. criar um blog?

Bem, quanto a vocês não sei, mas desde á algum tempo que curtia ter um blog.
Talvez para expressar as minha opiniões, ou apenas para escrever o que sinto em algumas situações, ou até mesmo contar alguma pequena história, ou quem sabe postar uma noticia aqui ou ali, talvez mesmo revelar um segredo, ou explicar um pequeno facto ou advertência..
De certeza que existe (e de certeza mesmo) quem ache isto um tanto ou pouco ridículo: "expressar estados de humor?" \\ "revelar algum segredo para centenas, ou quem sabe milhares de pessoas?" \\ "contar um episódio revelador que nos aconteçeu?" E PORQUE NÃO?
A História tem sido feita destes pequenos argumentos, irrelevantes ou não, o que seriamos nós, sem centenas, milhares, milhões de pessoas? Não deixavamos de ser nós é claro, mas seriamos nós completamente sozinhos.. e tal como está em um belissimo livro de Paulo Coelho (11 Minutos): "o ser humano pode tolerar uma semana de sede, duas semanas de fome, muitos anos sem tecto - mas não pode tolerar a solidão"
Embora talvez seja uma estupidez dizer isto, alguns blogs, podem ser um caminho de quebrar a solidão de certas pessoas, é frustrante estarmos com amigos, darmos a nossa opinião e ninguem se importar com a mesma, e quiçá, se a escrevermos em um blog, talvez alguem a veja, e partilhe da mesma opinião.
É disparatado dizer tal coisa, mas se calhar alguem partilha desta opinião, mas eu não a partilho..
Com tudo isto, nada mais tenho a dizer, palavras ignorantes? Quiçá, o objectivo é escrever, e eu escrevi, independentemente dos gostos, cabe-me a mim decidir os meus.